Menina baleada pelo pai sai de UTI infantil em SP

A menina J.F.M.R., de 11 anos, vítima de um tiro na cabeça disparado pelo pai, Helder, de 46 anos, em 24 de outubro, saiu ontem da Unidade de Terapia Infantil (UTI) Infantil da Santa Casa de Franca, interior de São Paulo. Ela saiu do coma e foi para um quarto da ala pediátrica do hospital, onde ficará por tempo indeterminado, sob cuidados de um fisioterapeuta, que trabalha sua parte motora e respiratória. J., que completou 11 anos em 1º de novembro, respira normalmente, mas fez traqueostomia para facilitar a respiração. Ela teve perda de massa encefálica e as seqüelas ainda são desconhecidas. A preocupação do neurocirurgião Sinésio Grace Duarte é, no momento, mantê-la viva.A irmã gêmea de J. e o irmão morreram, assim como a mãe de Helder, Lourdes, de 74 anos. Helder se matou após atirar em todos. Sua mulher, Valéria Gomes Freitas, de 37 anos, sobreviveu e já teve alta hospitalar, mas ainda está muito abalada. Helder, que foi seminarista, era depressivo e ingeria bebida alcoólica. Existe a suspeita ainda de que consumia drogas, segundo familiares e conhecidos. A Polícia Civil investiga o que teria motivado Helder a cometer os crimes. A arma usada era do pai, Augustinho Rezende de Araújo, de 78 anos, que não estava em casa no momento da ira do filho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.