Museus têm programação variada para quem ficar em São Paulo

Matisse, osgemeos e Rodin estão entre as exposições

Filipe Vilicic, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

Quem estiver em São Paulo durante o feriado poderá aproveitar a programação dos museus paulistanos. A Pinacoteca (Praça da Luz, 2, centro; tel.: 3324-1000; R$ 6; grátis hoje), que normalmente fecha às segundas, abrirá no Dia de Finados. Será a última oportunidade para conferir as exposições O Cubismo e Matisse Hoje, que estavam previstas para terminar no domingo, mas foram estendidas por causa do feriado.

"Pela importância das duas mostras, optamos por aumentar o período de visitação e aproveitar o feriado para atrair um público maior para as exposições", diz Marcelo Mattos Araujo, diretor executivo da Pinacoteca. Cerca de 100 mil pessoas já viram a exposição Matisse Hoje. A mostra apresenta, pela primeira vez no Brasil, 93 pinturas, esculturas e gravuras do artista francês Henri Emile Benoit Matisse. O museu espera receber 4 mil pessoas na segunda. O horário de visitação, usualmente das 10 às 18 horas, será estendido até as 20 horas.

Outra opção para o fim de semana é visitar o Museu de Arte Brasileira da Faap (Rua Alagoas, 903, Higienópolis; tel.: 3662- 7198; grátis; das 10 às 17 horas), que abre no sábado e domingo, mas fecha na segunda. Há duas exposições: Vertigem, com trabalhos dos grafiteiros osgemeos, e Christian Lacroix - Trajes de Cena, que reúne cem criações e 80 desenhos do estilista francês.

"Esperamos um grande fluxo de pessoas, pois domingo é o último dia do Lacroix", afirma Denise Pollini, coordenadora do setor educativo do museu.

O Masp (Avenida Paulista, 1.578; tel. 3251-5644; R$ 15) fecha no Dia de Finados, mas abre hoje e amanhã. Duas exposições são as apostas para atrair o público. Rodin: Do Ateliê ao Museu - Fotografias e Esculturas reúne 22 esculturas do artista francês Auguste Rodin, além de 193 fotografias que retratam o trabalho do escultor.

Já a mostra Walker Evans traz 120 imagens do fotógrafo americano. São retratos dos Estados Unidos da década de 1920 ao início dos anos 1970 e de Havana, capital de Cuba, em maio de 1933.Q

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.