No Rio, bombeiros realizam novo protesto por reajuste

Os bombeiros do Rio de Janeiro, em campanha salarial desde abril, voltam a acampar a partir de hoje em frente à escadaria da Assembleia Legislativa (Alerj). Os manifestantes, que tinham deixado o local após a libertação dos 431 militares detidos na ocupação do quartel central da corporação, informaram nesta tarde que vão permanecer ali até que sejam recebidos pelo governo do Estado.

TIAGO ROGERO, Agência Estado

16 Junho 2011 | 15h41

Segundo o porta-voz do movimento, cabo Benevenuto Daciolo, a medida foi tomada porque, até hoje, os líderes do grupo não foram ouvidos pelo governador Sérgio Cabral (PMDB) e nem pelo comandante da corporação, coronel Sérgio Simões. "O estágio das negociações é o mesmo de dois meses atrás", disse Daciolo.

A principal reivindicação do grupo é a anistia criminal e administrativa dos 429 bombeiros e dois policiais militares detidos, além da elevação do piso salarial de R$ 950 para R$ 2 mil. O governo do Estado ofereceu reajuste de 5,58%, mais gratificação de R$ 350. A proposta, porém, foi rejeitada pelos manifestantes.

Dezenas de bombeiros participam de uma assembleia da categoria em frente à Alerj nesta tarde. O protesto, com faixas e carro de som, é pacífico até o momento, e acompanhado por policiais militares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.