Para d. Simão, eleição de novo papa foi surpresa 'boa'

Acho que o papa vai se preocupar mais com os problemas da América Latina, disse

Chico Siqueira,

13 de março de 2013 | 17h13

O presidente da Comissão pela Defesa da Vida (Estado de São Paulo), da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo de Assis (SP), d. José Benedito Simão, disse que a eleição do cardeal Jorge Mário Bergoglio foi a segunda surpresa trazida pela Igreja Católica nos últimos dias. "Estamos vivendo de surpresa, primeiro com a demissão do papa Bento XVI e agora com a eleição do arcebispo de Buenos Aires, que não era um dos apontados como favoritos", comentou.

No entanto, segundo ele, a surpresa é boa, porque a eleição do primeiro papa latino americano abre a esperança de que o comando da Igreja Católica se aproxime mais da realidade da região. "Estaremos mais próximos das decisões da Igreja. Acho que este novo papa vai se preocupar mais com a violência, com a pobreza, com a marginalidade, que são problemas da nossa região. E se preocupar mais com o sofrimento do nosso povo", disse.

Para ele, o novo papa deverá seguir os caminhos da 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino Americana e do Caribe e pregar a "Nova Evangelização" e renovação da Igreja Católica. "Ao contrário do que pensam os torcedores de futebol, a eleição do papa argentino para o nosso País, é muito boa. Ter um hermano que vai lutar pelas causas da nossa região, é muito bom e também vai nos aproximar do novo diálogo que será aberto com a Igreja", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.