Por que Levy continua?

Enquanto a economia afunda, o impasse político se prolonga e a presidente é pressionada pelo partido para buscar um novo rumo, a figura do ministro da Fazenda encolhe, seu prestígio se esvai e seu poder, muito frágil desde o início, se aproxima de zero. Por que o ministro Joaquim Levy insiste em ficar no cargo? Esta é a questão mais intrigante, neste momento, a respeito do governo, dos impasses e do jogo entre os Poderes em Brasília. Cada dia da crise política sai muito caro para o País e impõe uma provação talvez inútil à presidente Dilma Rousseff. Mas é possível compreender seu esforço para escapar do impeachment. Mesmo diante da perspectiva de se tornar uma governante apenas nominal, obediente robô a serviço de seu criador, a presidente pode considerar tolerável essa condição. As alternativas mais prováveis seriam o despejo depois de um processo devastador ou uma renúncia humilhante.

O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2015 | 02h23

Ganhar tempo faz sentido para a presidente e para os líderes de seu partido. Mas o tempo ganho dessa forma para os políticos sob pressão – e isto inclui o presidente da Câmara, Eduardo Cunha – é tempo perdido para quem deve cuidar da política econômica e, portanto, do complicado e penoso ajuste das contas públicas. Na economia o impasse político se traduz como perda: a insegurança aumenta, o empresário posterga o investimento produtivo, o financiador encurta o crédito, o consumidor adia suas compras, o desemprego aumenta, a arrecadação diminui, o Tesouro se enfraquece e as contas públicas pioram.

Se as agências de avaliação de crédito cortam a nota do País, como fez a Fitch na quinta-feira, quem se surpreende? E quem se surpreenderá se em alguns meses a Fitch ou a Moody’s acompanhar a Standard & Poor’s (S&P) e jogar o Brasil no grau especulativo, carimbando os papéis do Tesouro como junk bonds, isto é, como títulos bons para o lixo?

Quando uma agência corta a nota de um país, impõe uma reprovação à sua política econômica. A reprovação pode valer moralmente para quem chefia o governo e para todos os políticos envolvidos nas decisões erradas e nos impasses. Dirigentes da Fitch, como de outras agências, têm mencionado a crise política e a corrupção em seus documentos. Mas quem, no Congresso ou na chefia dos partidos, incluído o PT, se importa com isso?

O carimbo do rebaixamento atinge muito mais fortemente a imagem do ministro da Fazenda que a de qualquer outro. Se houvesse perspectiva clara de recuperação econômica, a partir da correção das finanças públicas, o dissabor poderia valer a pena. Mas a recuperação é muito incerta, as possibilidades de piora são consideráveis e isso foi explicitado pelos técnicos da Fitch e da S&P.

Dar a volta por cima pode ser uma ideia tentadora, mas dificilmente justificável no caso do ministro Joaquim Levy. O tempo das meras pressões do PT contra sua presença no governo já passou. O tutor da presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, pede abertamente a demissão do ministro e uma ampla mudança da política econômica.

A imagem do Brasil já é desastrosamente ruim, como o ministro Levy deve ter notado em Lima, durante a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ele mesmo pagou caro pelos desmandos de outros, ao ser acuado, numa entrevista, com perguntas sobre o risco de impeachment e sobre a rejeição do balanço fiscal do ano passado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Foi salvo pela intervenção da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde. Não parece, no entanto, ter aprendido.

Petistas e analistas a serviço do ex-presidente Lula acusam o ministro Levy pela crise, como se a recessão fosse consequência de sua política – um ajuste de fato nunca iniciado. Sua imagem será manchada pelo fracasso no ajuste, mas alguns o criticarão por ter tentado ajustar as contas. Sem nunca o ter prestigiado, a presidente Dilma estará ocupada demais para defendê-lo. Os causadores do desastre sorrirão e Levy será humilhado. Ele deve saber disso, mas, incompreensivelmente, insiste em ficar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.