Relator da CPI do Cachoeira recua e desiste de pedir investigação de Gurgel

Após forte pressão, o relator da CPI do Cachoeira, Odair Cunha (PT-MG), modificou o relatório apresentado na semana passada e desistiu de pedir o indiciamento de jornalistas e a investigação do procurador-geral da República, por suposta omissão em relação a operação Vegas, da Policia Federal, que deu origem à CPI.

Reuters

28 de novembro de 2012 | 12h51

Cunha foi pressionado pela cúpula petista e por aliados na comissão parlamentar a retirar essas partes do seu relatório porque havia indiciado jornalistas que sequer foram ouvidos pela CPI e pedido a investigação de Roberto Gurgel num gesto que foi interpretado como vingança do PT contra o procurador que apresentou a denúncia para o julgamento do mensalão.

Apesar de ceder às pressões, Cunha ainda não conseguiu garantir apoio dos aliados para aprovação de seu parecer. Na terça-feira, ele passou o dia em reuniões com membros da CPI tentando costurar um acordo sobre o texto para garantir a aprovação da peça.

Nesta quarta-feira, numa sessão tensa, o relator rejeitou um acordo que o obrigaria a modificar outras partes do texto se fosse derrotado pela maioria do plenário da comissão. Cunha só aceitou modificar esses dois pontos e ouvir sugestões sobre outras partes e decidir se aceita ou não fazer mudanças.

Essa decisão do petista gerou uma grande confusão na sessão e ele chegou a ser acusado de autoritarismo. "Agora o senhor virou ditador?", questionou o deputado Vaz de Lima (PSDB-SP).

Apesar da avalanche de críticas, o presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), afirmou que o relator poderia adotar essa estratégia e não modificar outras partes que não concordasse.

A leitura do resumo do relatório, que tem mais de 5 mil páginas, porém, teve que ser interrompida porque os demais membros da comissão exigiram que fossem distribuídas cópias do parecer resumido lido por Cunha.

Após a leitura do parecer, se abrirá um prazo de cinco dias para que os parlamentares possam sugerir modificações ou mesmo apresentar relatórios paralelos.

Entre as pessoas cujo indiciamento o relatório pede estão o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o proprietário da construtora Delta, Fernando Cavendish, e o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, cujas relações com agentes públicos e privados estão no foco das investigações parlamentares.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICACPIGURGEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.