Serra anuncia extensão da Linha 6 do Metrô de São Paulo

Licitação do projeto, que liga São Joaquim à zona norte, será feita ainda neste mês, diz governador

Carolina Ruhman, Agência Estado

04 Dezembro 2008 | 17h48

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), anunciou nesta quinta-feira, 4, a ampliação do projeto da Linha 6 - Laranja do metrô (Freguesia do Ó - São Joaquim) até os bairros de Vila Nova Cachoeirinha e Brasilândia, na zona norte da capital paulista. Segundo ele, só o projeto executivo dessa linha deve custar cerca de R$ 80 milhões. Já o custo total da obra ficará em torno de R$ 2 bilhões.   "O projeto está sendo licitado, vai entrar em concorrência agora em dezembro", informou Serra, durante cerimônia no Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso. O governador estava acompanhado do prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM), do secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, do secretário municipal dos Transportes, Alexandre de Moraes, e do presidente do Metrô, José Jorge Fagali. O projeto executivo de ampliação da linha deve custar cerca de R$ 80 milhões e o custo total da obra ficará em torno de R$ 2 bilhões.   A previsão do governo é de que as obras tenham início em 2010 e sejam entregues apenas em 2012. Os recursos, explicou Serra, virão tanto do governo do Estado quanto da Prefeitura. A obra contará ainda com financiamentos, disse o governador, citando o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o Banco Mundial e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ele acrescentou que parte dos recursos virá da renda obtida com a venda da conta-salário dos servidores, que levou R$ 2 bilhões aos cofres do governo, e da venda da Nossa Caixa ao Banco do Brasil.   Segundo dados da Prefeitura, o município já encaminhou R$ 75 milhões para o projeto executivo da Linha 6 em maio. De acordo com Kassab, está mantido o "compromisso" de investir R$ 1 bilhão no metrô nessa gestão. Ele afirmou que já foram aplicados R$ 500 milhões. "Ainda no mês de dezembro, serão mais R$ 500 milhões, muito possivelmente na transferência dos Cepacs (Certificados de Potencial Adicional de Construção) para o governo do Estado de São Paulo, dando ao Estado o direito de vendê-los", explicou. Para o próximo mandato, Kassab reiterou o compromisso de investir mais R$ 1 bilhão no metrô.   Com o anúncio da extensão, a linha 6 terá um total de 18,4 quilômetros e 17 estações. Segundo Serra, a extensão para Vila Nova Cachoeirinha e Brasilândia será feita através de uma bifurcação da linha a partir da Freguesia do Ó e contará com 6 novas estações. A demanda prevista para a linha é de 600 mil passageiros por dia. A Linha 6 está ainda na fase de execução do projeto, mas o metrô estima que sua construção gerará 26 mil empregos diretos e indiretos.   Parceria   Serra e Kassab trocaram elogios durante a solenidade e enfatizaram sua "parceria". O prefeito discursou rapidamente antes do governador e agradeceu "pela benfeitoria" de Serra. O tucano, por sua vez, destacou que Kassab "parou com o trololó" e "entrou no metrô". Serra abusou das metáforas de saúde ao ressaltar a importância de investimentos no metrô. "Sem poder se deslocar, a cidade fica congestionada e sofre enfarte", apontou Serra, acrescentando. "Não estamos colocando pontes de safena."   O governador fez questão de enfatizar que este é um investimento para o trabalhador e atacou as críticas dos partidos de oposição, que, segundo ele, afirmam que o Serra estaria aplicando em transporte em detrimento de outras áreas.

Mais conteúdo sobre:
transportes metrô Linha 6 José Serra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.