Serra: delegado acusado não será professor da polícia

O governador José Serra disse hoje, depois de participar das festividades do Dia da Independência, que o delegado André Luiz Di Rissio não deverá assumir o cargo de "professor temporário" da Academia de Polícia. O delegado passou em primeiro lugar no concurso da Academia de Polícia Civil (Acadepol) de São Paulo e a sua aprovação foi publicada ontem no Diário Oficial do Estado. O delegado responde a vários processos nos quais é acusado de corrupção, formação de quadrilha, escuta clandestina, tráfico de influência, contrabando e a advocacia administrativa.Segundo o governador, há um regulamento interno da Academia que não permitirá que De Rissio assuma a cadeira de professor. O delegado é réu em processos nas Justiças Federal e Estadual. "O ato será desfeito", disse o governador, acrescentando que o regulamento da Academia de Polícia contempla este tipo de situação. "É como numa sala de aulas. O primeiro aluno pode ser um problemático", comparou Serra.Quanto ao delegado Antônio dos Santos, acusado de receber R$ 50 mil em propinas para livrar da prisão em flagrante três acusadas de tráfico de drogas, o governador afirmou que ele já foi afastado, teve seu distintivo recolhido e está sendo investigado pela Secretaria de Segurança Pública. "Qualquer denúncia que tiver fundamento será investigada", disse o governador. A denúncia contra Santos foi apresentada ontem pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado, do Ministério Público Estadual à 8ª Vara Criminal de São Paulo. A propina foi pedida por Santos, que teria trocado a sua escala de plantão para fazer o acordo com a quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.