Servidores da Unicamp decidem suspender greve

Movimento deve ser encerrado até terça-feira, segundo o sindicato

Agencia Estado

25 de junho de 2007 | 15h58

Os funcionários da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) decidiram nesta sexta-feira, 22, em assembléia, a suspensão do movimento grevista a partir da segunda-feira, 25, com encerramento total da greve até o dia seguinte. Segundo informou o coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp, Marcílio Ventura, na segunda-feira serão realizadas duas assembléias: uma em apoio aos funcionários que participaram da paralisação, que durou quase um mês, e outra em apoio ao movimento estudantil. Segundo estimativa do sindicato, cerca de 40% dos 7,1 mil funcionários aderiram ao movimento grevista. Até o início da noite, ao menos cem estudantes ainda ocupavam o prédio da diretoria acadêmica, embora a 1ª Vara da Fazenda Pública tenha determinado, na quarta-feira, a reintegração de posse do patrimônio público, a pedido da reitoria da Unicamp. O reitor, professor José Tadeu Jorge, não aceitou negociar com os estudantes, que ocuparam a reitoria na última segunda-feira. Os alunos pedem a revogação do decreto do governador José Serra (PSDB) que cria a Secretaria de Ensino Superior, a reforma da moradia da Unicamp, a garantia de que não serão colocadas catracas nas moradias e a não-punição dos estudantes grevistas. Uma comissão de professores apura a responsabilidade do movimento estudantil.

Tudo o que sabemos sobre:
unicampgrevefuncionários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.