Suspeita de fraude motivou fim do reajuste da Zona Azul

O secretário municipal de Transportes, Alexandre de Moraes, suspendeu hoje o reajuste do preço da folha de Zona Azul por conta da suspeita de retenção do repasse de folhas por parte das distribuidoras. Moraes determinou a abertura de uma sindicância para apurar o caso. Após o anúncio do aumento da tarifa, em maio deste ano, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) elevou de 228 mil para 359 mil o repasse mensal de talões para as distribuidoras. "Isso demonstra que não há nenhuma razão para que não se venda o talão inteiro ou que falte folha avulsa de Zona Azul, o que nos leva a crer que há indícios de represamento dos talões", explicou Moraes.

AE, Agencia Estado

29 de junho de 2009 | 17h40

A CET informou ter recebido "seguidas queixas de munícipes que não conseguem adquirir os talões". O novo preço estava previsto para entrar em vigor a partir desta quarta-feira. Cada folha passaria a custar R$ 3, isto é, R$ 1,20 a mais em relação ao cobrado atualmente. O talão com dez folhas seria vendido por R$ 28. Uma folha permite ao motorista manter seu carro estacionado na área reservada por uma hora.

Mais conteúdo sobre:
transportesSPZona Azulreajuste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.