Teoria da Evolução não é incompatível com fé, diz papa

Declaração foi dada em evento que reuniu cientistas no Vaticano

Edison Veiga, Raquel Brandão, O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2014 | 19h21

O papa Francisco reconheceu as Teorias do Big Bang e da Evolução como corretas e disse que elas não são incompatíveis com a existência de um criador. As declarações foram feitas na segunda, 27, em evento na Pontifícia Academia de Ciências, no Vaticano. “Quando lemos no Gênesis (primeiro livro da Bíblia) sobre a criação, corremos o risco de imaginar que Deus tenha agido como um mago, com uma varinha mágica capaz de criar todas as coisas. Mas não é assim”, disse. 

Em seguida, ele ressaltou que a Teoria do Big Bang, a explicação mais aceita pela comunidade científica atualmente para explicar a origem do mundo, não se opõe à necessidade de existência do criador divino. 

O papa demonstrou concordar com a Teoria da Evolução e lembrou, entretanto, que ela “requer que, antes, os seres tenham sido criados”. “Deus criou os humanos e permitiu que se desenvolvessem seguindo leis internas que deu a cada um para que alcançassem sua realização”, afirmou Francisco. 

Órgão de atuação independente da Igreja – apesar de, na maior parte, ser financiado por ela –, a Pontifícia Academia de Ciências foi fundada em 1603, sob o nome de Academia dos Linces. É formada por 80 pesquisadores de todo o mundo, todos nomeados vitaliciamente pelo papa. Na atual plenária, aberta no dia 24 e encerrada ontem, os cientistas discutiram justamente “a evolução do conceito de natureza”.

Leia mais sobre estas declarações - e suas repercussões entre teólogos - na edição impressa do jornal 'O Estado de S. Paulo' desta quarta, 29. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.