As 10 tendências de negócios de impacto social para ficar de olho - parte 1

Tendências para empreender com impacto social, em áreas como saúde e habitação, revelam que a indústria de negócios do setor tem se moldado às demandas sociais mais urgentes

Blog

image

Blog

Blog do EmpreendedorFique por dentro do cotidiano da pequena empresa como você nunca viu antes.

PUBLICIDADE

Por Maure Pessanha

"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo." A frase, atribuída ao escritor e professor Peter Drucker - considerado o pai da administração moderna -, resume um pouco o espírito empreendedor, pois nos direciona para a urgência de transformar desafios em oportunidades. No empreendedorismo de impacto social, a identificação de tendências, que aponta para onde estamos caminhando, resulta do exercício anterior de enxergar o cidadão em todas as dimensões, usando uma profunda empatia.

Mapear as dores das pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e cruzar com informações sobre tecnologias que estão emergindo e com diferentes modelos de negócio passa a ser uma constante essencial para entender como vencer um gargalo social que não está tendo respostas completas do poder público e da iniciativa privada tradicional. É do olhar permanente e minucioso que saem os estudos, os mapeamentos de tendências e as teses elaboradas pela equipe da Artemisia.

Anualmente, a equipe de Busca & Seleção de Negócios analisa soluções emergentes e dores da população para entender como problemas sociais e ambientais podem ser amenizados a partir de novas formas de empreender, gerando impacto positivo. O resultado desse mapeamento compõe a identificação de 10 tendências que devem permear o futuro e fortalecer os negócios de impacto social que já surgiram.

Em uma série composta por dois artigos, destaque para tendências que estão relacionadas a setores estruturantes - Educação, Habitação, Saúde, Alimentação, Energia -, e outras que permeiam horizontalmente diferentes áreas, mostrando-se temáticas fluídas e disruptivas como arquitetura de escolhas e cadeias produtivas, por exemplo.

A primeira das tendências detectadas é o uso da internet das coisas (IoT) e inteligência artificial. À primeira vista, pode parecer que essas tecnologias só irão afetar a vida da população de maior renda e das grandes empresas. Mas, com o olhar do potencial de impacto social, essas tecnologias podem ser aplicadas para mitigar riscos enfrentados, principalmente, pela população mais vulnerável.

Iniciativas para combater o desperdício de comida representam tendência de negócios em impacto social. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Continua após a publicidade

Exemplo disso são as soluções que podem detectar riscos e crimes ambientais, ou identificar características mensuráveis - vibração da terra e microfissuras - conectado em rede que envia, automaticamente, mensagens de georreferenciamento para a população local. Analisando o potencial de impacto da inteligência artificial temos, como exemplo, soluções tecnológicas que apoiam a aprendizagem personalizada de jovens e crianças e as que oferecem suporte à saúde pública.

A segunda tendência lança luz à alimentação com iniciativas que promovem o acesso à alimentação equilibrada e saudável; combatem os desertos alimentares - locais onde a oferta de alimentos nutritivos como frutas, verduras e legumes é baixa ou inacessível, o que impacta na saúde e no índice de obesidade da população; e combatem o desperdício com soluções que apoiem a geração de renda por meio da alimentação.

Habitação, foco da terceira tendência, aparece como centro das principais agendas globais por ser a moradia tema essencial para a erradicação da pobreza. Pelo caráter transversal - influencia qualidade de vida, saúde, segurança, educação e condições para o desenvolvimento humano - tornou-se uma temática relevante para a conquista dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas (ONU). A análise revela que têm surgido negócios de impacto social que inovam no setor ao adotar materiais alternativos para a construção; ao criar soluções para qualificar e diversificar a mão de obra; desenvolver projetos de arquitetura em áreas periféricas; e reforçar propostas de baixo custo com formas de pagamento diferenciadas.

A temática da energia acessível e renovável, sobretudo a solar, está no cerne da quarta tendência. Nessa seara, a análise recai para modelos que consigam ultrapassar as barreiras de escala e acesso à população de menor renda; serão bem acolhidos, também, produtos e serviços que reduzam a perda de energia e os custos de acesso via geração distribuída de energia.

Empreender com impacto social requer muito mais resiliência, empatia e capacidade de capturar o espírito do nosso tempo

As soluções voltadas à saúde compõem a quinta tendência. Essa análise passa pela necessidade de serviços de prevenção de doenças e promoção da saúde, visto que diversas enfermidades podem ser prevenidas ou controladas com diagnóstico precoce, hábitos saudáveis e monitoramento constante - como diabetes, problemas cardiovasculares, obesidade.

Há um movimento forte entre os grandes hospitais: eles estão olhando para a questão dos cuidados primários, que impactam diretamente nos custos decorrentes de internações complexas. Essa forma de agir começa a mudar a lógica da saúde no Brasil, que ainda é muito fragmentada; na prática, o brasileiro precisa ir a muitos especialistas, quando o ideal seria um tratamento integral e atenção básica.

Continua após a publicidade

Essas cinco tendências revelam que a indústria de negócios de impacto social tem se moldado às realidades apresentadas por algumas das demandas sociais mais urgentes. Sabemos que empreender é enfrentar, diariamente, desafios de toda natureza. E empreender com impacto social requer muito mais resiliência, empatia e capacidade de capturar o espírito do nosso tempo.

Na próxima semana, vou abordar mais cinco tendências para quem está pensando em empreender - e gerar impacto positivo.

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.