Alckmin está com covid e vai participar de lançamento de pré-candidatura com Lula por vídeo

Ex-governador recebeu diagnóstico positivo para coronavírus e campanha de petista diz que mantém evento marcado para este sábado

PUBLICIDADE

Por Beatriz Bulla e Luiz Vassallo
Atualização:
3 min de leitura

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB), que será vice na chapa à Presidência com Luiz Inácio Lula da Silva (PT), está com covid-19. Com o resultado do exame, ele participará do evento de lançamento da pré-candidatura com o petista virtualmente, por vídeo. O ato está previsto para este sábado, 7, no Expo Center Norte, na zona norte de São Paulo.

O ex-governador Geraldo Alckmin e o ex-presidente Lula participaram juntos do evento de apoio do Solidariedade à chapa formada pelo petista e o pessebista no começo da semana. Foto: Werther Santana/Estadão

Alckmin se filiou ao PSB para compor uma chapa mais centro com Lula. Há previsão de participação de 4 mil pessoas no lançamento. São esperados aliados, além do PT, de PSB, Solidariedade, PV, PC do B, Rede e PSOL.

“O evento de amanhã está mantido e o governador Geraldo Alckmin deve participar por vídeo, virtualmente”, afirmou a assessoria da pré-campanha de Lula. O tucano teve febre e dor de garganta nesta quinta-feira, 5. Ele foi atendido em consulta pelo médico David Uip.

Segundo a assessoria do ex-governador, Alckmin está “em casa, medicado, e passa bem”. A assessoria afirmou ainda que ex-governador tomou três doses de vacina contra a covid.

Uma liderança do PSB afirmou ao Estadão que a manutenção do evento “não é o ideal”, mas as “circunstâncias” não permitiam o adiamento. Petistas afirmam que haveria dificuldade de adiar o ato, sobretudo em razão do dinheiro e articulação com militantes e aliados para acertar uma nova data.

Continua após a publicidade

O lançamento da candidatura estava previsto para o dia 30 de abril. No entanto, a data coincidia com encontros das Executivas Nacionais do PSOL e do PSB. Dirigentes das legendas acabaram pedindo para o PT adiar.

A abertura do Congresso do PSB em Brasília, no dia 28, foi marcada por uma situação inimaginável anos antes: Alckmin se enfileirou ao lado de Lula, do ex-governador Márcio França e outras lideranças para saudar, e depois, aplaudir o hino da internacional socialista.

Na última terça, 3, dias antes da data do lançamento da candidatura, foi a vez de um aliado mostrar sua insatisfação com as pautas petistas. “Acho que temos perdido tempo com algumas coisas. Uma vaia dali, uma Internacional (hino socialista) dali, reforma trabalhista”, disse o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, em evento na terça-feira ao anunciar apoio a Lula e Alckmin.

Testagem

O ex-governador esteve reunido nesta semana, por diversas ocasiões, com integrantes da campanha de Lula, como a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. Ao lado do ex-presidente, Alckmin esteve em um almoço no hotel Grand Mercure, em São Paulo, nesta segunda, 2. E, também, no ato do Solidariedade, na terça, 3. Nesta quinta, 5, Lula esteve sozinho em Campinas.

O próprio Lula, Gleisi e dirigentes petistas que estiveram com Alckmin devem se submeter a testes de covid-19 ainda antes do evento deste sábado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.