PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

PF faz buscas na casa do deputado Binho Galinha, apontado como chefe de milícia na Bahia

Kleber Cristian Escolano de Almeida (Patriota), parlamentar da Assembleia Legislativa baiana, é alvo da Operação ‘El Patron’ nesta quinta, 7; ele foi denunciado pelo Ministério Público como líder de organização que agia em Feira de Santana com esquema de lavagem de dinheiro do jogo do bicho, agiotagem, extorsão e receptação qualificada

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:
O deputado Kléber Cristian Escolano de Almeida, conhecido comoBinho Galinha. Foto: AscomALBA/AgênciaALBA

A Polícia Federal fez buscas na manhã desta quinta-feira, 7, na casa do deputado estadual da Bahia Kleber Cristian Escolano de Almeida, conhecido como Binho Galinha (Patriota), no bojo de uma investigação na qual o parlamentar foi denunciado como suposto chefe de uma milícia em Feira de Santana.

PUBLICIDADE

A diligência se deu no bojo da Operação ‘El Patron’ que prendeu preventivamente seis supostos integrantes da quadrilha.

Durante as diligências foram apreendidos documentos, pasta de cocaína, armas e munições. O deputado e mais 14 investigados foram denunciados - entre eles policiais militares.

O grupo sob suspeita é investigado por lavar dinheiro do jogo do bicho, agiotagem, extorsão e receptação qualificada. O inquérito aponta que a organização criminosa movimentou, em dez anos, mais de R$ 100 milhões, valor transferido ao longo do tempo para os investigados e empresas envolvidas no esquema.

Segundo os investigadores, a quadrilha era integrada por três PMs, braço armado da milícia. Eles seriam responsáveis por ‘cobranças, mediante violência e grave ameaça, de valores indevidos oriundos de jogos ilícitos e empréstimos a juros excessivos’.

Publicidade

Além das seis ordens de prisão preventiva já cumpridas, a PF tenta executar outras quatro. Foram capturados João Guilherme, Jorge Piano, Jackson Júnior, Roque Carvalho, Mayana Silva e Josenilson Conceição. Os agentes ainda vasculham 33 endereços ligados à milícia.

As ordens foram expedidas pela 1º Vara Criminal de Feira de Santana. A Justiça ainda decretou o bloqueio de mais de R$ 700 milhões das contas bancárias dos investigados e o sequestro de 26 propriedades - dez fazendas, nove casas, quatro terrenos, dois apartamentos e uma sala comercial - e de catorze veículos, além da suspensão de atividades econômicas de seis empresas.

Segundo o MP, a Justiça recebeu a denúncia contra os acusados Kléber Cristian Escolano de Almeida, o ‘Binho Galinha’, Thierre Figueiredo Silva, Nilma Carvalho Pereira, Ruan Pablo Pereira Carvalho, Alexandre Pereira dos Santos, Washington Martins Silva, Mayana Cerqueira da Silva, João Guilherme Cerqueira da Silva Escolano, Jorge Vinícius de Souza Santana Piano, Jackson Macedo Araújo Júnior, Vagney dos Santos Aquino, Josenilson Souza da Conceição, Roque de Jesus Carvalho, Bruno Borges França e Kleber Herculano de Jesus.

COM A PALAVRA, BINHO GALINHA

A reportagem do Estadão pediu manifestação do deputado estadual da Bahia Binho Galinha (Patriota). O espaço está aberto. (pepita.ortega@estadao.com)

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.