PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

O PIC do Queiroz

Leia documentos do Procedimento Investigatório Criminal do Ministério Público do Rio; ponto de partida é o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras que aponta movimentação suspeita do homem de confiança do clã Bolsonaro, Fabrício Queiroz

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Vassallo
Foto do author Fausto Macedo
Por Luiz Vassallo e Fausto Macedo
Atualização:
 Foto: Estadão

Procedimento Investigatório Criminal (PIC), do Ministério Público do Rio, mira o ex-policial militar Fabrício Queiroz, homem de confiança do clã Bolsonaro. O ponto de partida da investigação da Promotoria é o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras que aponta movimentação suspeita de Queiroz.

] Foto: Estadão

Nessa investigação, o Ministério Público conseguiu na Justiça Estadual do Rio a quebra do sigilo bancário do senador Flávio Bolsonaro (PSL), por suspeita de 'fantasmas' e 'laranjas' em seu gabinete na Assembleia Legislativa - quando exercia o mandato de deputado -, além de compra e venda sub e superfaturada de imóveis.

Reprodução Foto: Estadão

O ponto de partida da investigação foi a Operação Furna da Onça, que pegou um grupo de deputados estaduais do Rio e promoveu uma devassa nas contas do homem de confiança do senador.

 Foto: Estadão

Movimentações bancárias suspeitas atribuídas a Queiroz foram apontadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O órgão vinculado ao Ministério da Economia apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em um ano. As investigações miram 94 pessoas, divididas por núcleos no entorno do senador. O inquérito atinge 37 imóveis supostamente ligados ao parlamentar.

Reprodução Foto: Estadão

Publicidade

O procedimento já dura vários meses. Flávio apelou ao Supremo para que fosse investigado na Corte - o pedido foi rejeitado pelo ministro Marco Aurélio Mello. Queiroz enviou esclarecimentos por meio de sua defesa.

DEFESA

Reprodução Foto: Estadão

O senador afirma que 'não são verdadeiras as informações vazadas acerca de seu patrimônio'. Ele já declarou que é 'vítima de seguidos e constantes vazamentos de informações contidas em processo que está em segredo de justiça'.

O advogado Paulo Klein, defensor da família Queiroz, também rebateu as acusações. "O que dizer do Ministério Público que depois de 1 ano e 5 meses não tem indícios mínimos de prática criminosa? Tanto é que não existe denúncia até agora."

A investigação é embasada, até agora, em depoimentos, relatórios do Coaf, análises patrimoniais, entre outras diligências dos promotores.

Publicidade

LEIA OS DOCUMENTOS DO PROCEDIMENTO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL NO CASO QUEIROZ:

Documento

143-202 NPDF

Documento

261-319PDF

Documento

205-260PDF

Documento

320-358PDF

Publicidade

Documento

359-374PDF

PIC 5

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.