PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

‘Por onde anda a professora?’, pergunta Mauro Cid no encalço de Moraes

Mensagem de WhatsApp de ex-ajudante de ordens de Bolsonaro para Marcelo Câmara, então assessor do ex-presidente, em dezembro de 2022, indica preocupação de grupo bolsonarista em rastrear os passos do ministro do Supremo, a quem deram alcunha de ‘professora’; PF suspeita que monitoramento não cessou

Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Rubens Anater
Foto do author Fausto Macedo
Foto do author Pepita Ortega
Por Rayssa Motta , Rubens Anater , Fausto Macedo e Pepita Ortega
Atualização:
Alexandre de Moraes é o relator da investigação sobre o suposto plano golpista articulado por Bolsonaro e seus aliados.  Foto: Wilton Júnior/Estadão

A Polícia Federal (PF) não descarta que outras autoridades, além do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), tenham sido monitoradas clandestinamente por aliados próximos do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em meio às articulações para um golpe após a derrota nas eleições de 2022.

PUBLICIDADE

O objetivo, segundo a PF, era prender o ministro e anular o resultado da votação. Os investigadores acreditam que a ordem tenha partido de Bolsonaro. Conversas recuperadas pelos policiais federais indicam que o ex-presidente chegou a redigir e editar o rascunho do decreto de prisão.

Moraes ganhou até um codinome, era tratado como “professora”. Seus passos eram acompanhados de perto pelo entorno do ex-presidente.

“Por onde anda a professora?”, questiona o tenente-coronel Mauro Cid, na época ajudante de ordens da Presidência, em conversa de WhatsApp com Marcelo Câmara, então assessor de Bolsonaro, em dezembro de 2022.

A agenda de Alexandre de Moraes era conhecida em detalhes. Chamou atenção da Polícia Federal que os auxiliares de Bolsonaro sabiam o itinerário exato de deslocamento do ministro com antecedência de 15 dias.

Publicidade

Ministro Alexandre de Moraes ganhou alcunha de 'professora'; aliados de Bolsonaro o monitoravam, segundo a PF. Foto: Reprodução/processo judicial

Para a PF, está claro que o ex-presidente e seus subordinados tinham acesso a informações privilegiadas e a intenção real de colocar em prática o plano golpista.

“As circunstâncias identificadas evidenciam ações de vigilância e monitoramento em níveis avançados, o que pode significar a utilização de equipamentos tecnológicos fora do alcance legal das autoridades de controle”, escreveu a Polícia Federal na representação enviada ao STF para deflagrar nesta quinta, 8, a Operação Tempus Veritatis.

A prisão de Moraes, na avaliação dos investigadores, seria simbólica porque, além de desafeto de Bolsonaro, ele é o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os policiais federais ainda investigam como as informações eram obtidas e se o esquema de espionagem ilegal ainda está em curso. “Não há garantia de efetiva interrupção”, destacou o próprio ministro no despacho que autorizou a operação.

Neste ponto, a investigação se cruza com o inquérito que investiga a instrumentalização da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no governo do ex-presidente. A Polícia Federal apontou que aliados de Bolsonaro infiltrados na Abin faziam parte de um grupo mais amplo responsável por uma espécie de serviço clandestino de “contrainteligência”.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.