PUBLICIDADE

Ciro Gomes sobre 8 de Janeiro: ‘Explorar politicamente o fato deplorável é igualmente desonesto’

O pedetista publicou nota dizendo que atos de vandalismo e de depredação do patrimônio público devem ser ‘punidos exemplarmente’, mas que ‘não é o que está acontecendo’

Foto do author Karina Ferreira
Por Karina Ferreira
Atualização:

O ex-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, publicou nesta segunda-feira, 8, uma nota em que diz que os atos golpistas de 8 de Janeiro estariam sendo explorados politicamente, em vez de serem “punidos exemplarmente”.

A nota, publicada em sua conta no X (antigo Twitter), começa falando que os atos merecem punição.“Os atos de vandalismo e de depredação do patrimônio público, ocorridos por insubmissão política aos resultados eleitorais, devem ser punidos exemplarmente, principalmente a partir dos grandes responsáveis pelo seu financiamento e motivação.”

PUBLICIDADE

A seguir, o pedetista cutuca, ao que parece, o governo federal e o Supremo Tribunal Federal (STF), afirmando que as punições não estão ocorrendo, mas sim, segundo ele, a exploração política do fato. “Explorar politicamente o fato deplorável é igualmente desonesto e é o que está acontecendo.”

A nota de Ciro ocorre no mesmo dia em do ato realizado pelos Três Poderes em memória dos ataques antidemocráticos ocorridos há um ano. Convocado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ato Democracia Inabalada ocorre no Salão Negro da sede do Legislativo.

A assessoria de Ciro foi procurada pelo Estadão para comentar se a publicação no X foi direcionada a alguém ou algum órgão específico, mas não atendeu.

Até agora, o ministro do STF, Alexandre de Moraes, proferiu 6.204 decisões relacionadas aos ataques de 8 de Janeiro. Desse total, foram 255 medidas de busca e apreensão em 400 endereços e 350 medidas de quebras de sigilo bancário e telemático. As medidas resultaram em 800 diligências. Os resultados foram divulgados em um relatório neste domingo, 7, pelo STF.

Ao longo de 2023, foram recebidas 1.345 denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Até o mês de dezembro de 2023, 38 acordos foram homologados com acusados pelos crimes menos graves (aqueles que estavam em frente aos quartéis). Nesses acordos, os réus admitiram os crimes e se comprometeram a pagar multas e a fazer curso sobre a democracia, por exemplo.

Publicidade

Contudo, como mostrado pelo Estadão, os atos golpistas completam um ano sem punição a mentores e financiadores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.