EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Deputado quer derrubar decreto de Lula que resgatou a estatal do ‘chip do boi’

Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. (Ceitec) projeta prazo de seis a sete anos para se tornar independente de recursos do governo federal

PUBLICIDADE

Foto do author Augusto Tenório
Por Augusto Tenório
Atualização:

O deputado Rodrigo Valadares (União-SE) apresentou projeto na Câmara para anular o decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que impediu a extinção do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. (Ceitec). A estatal havia sido fechada pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL) por ser deficitária desde sua criação.

Como mostrou a Coluna, com a decisão do governo Lula que autoriza a retomada da atividades, a estatal “do chip do boi’, como é conhecida, planeja contratar servidores para recompor o quadro funcionar e estima um prazo de até sete anos para se tornar independente de recursos do governo.

Deputado Rodrigo Valadares (UNIÃO-SE) Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

“É inadmissível o governo querer novamente abrir um ralo de dinheiro público para manter seus aliados políticos com a desculpa de fomentar ciência e tecnologia no Brasil. Nem mesmo o Governo compra os produtos fabricados pelo Ceitec e a empresa corresponde por apenas 0,5% do mercado de semicondutores no Brasil. Não é justo com o pagador de impostos”, diz Valadares, que faz parte da oposição ao presidente Lula.

Ceitec - Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A Foto: Assessoria Ceitec

PUBLICIDADE

A empresa atua em projetos e fabricação de circuitos integrados, chips, módulos e tags de identificação por radiofrequência.

Como trata-se de um Projeto de Decreto Legislativo, a matéria precisa ser discutida em comissões na Câmara. Valadares, agora, busca assinaturas para o regime de urgência da matéria, para que ela seja apreciada diretamente no plenário, onde depende de maioria simples para ser aprovada.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.