PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Deputados tentam inserir ‘jabutis’ na volta do DPVAT e fixar repasse a municípios

Relator é pressionado a obrigar uso de parte da verba arrecadada para fins diferentes da indenização a condutores que sofram acidentes de trânsito

Foto do author Eduardo Gayer
Foto do author Augusto Tenório
Por Eduardo Gayer e Augusto Tenório

O projeto de lei que prevê a volta da cobrança obrigatória do DPVAT, o seguro por Danos Pessoais por Veículos Automotores Terrestres, tornou-se alvo da cobiça de deputados interessados em endurecer com o governo Lula. O relator Carlos Zarattini (PT) é pressionado a inserir no texto um dispositivo para fixar repasse aos municípios de até 40% do total arrecadado com o DPVAT. Ou seja, parte da verba do seguro obrigatório seria utilizada não para as indenizações, mas para irrigar os caixas dos prefeitos.

À Coluna do Estadão, Zarattini limitou-se a dizer que vai avaliar essa ideia, sem descartar a possibilidade de incluí-la no relatório. É impossível, no entanto, prever agora o montante que seria destinado às prefeituras. Pelo projeto apresentado pelo próprio governo, o valor do seguro obrigatório a ser pago pelos proprietários de veículos seria definido em decreto presidencial.

No ano passado, o governo do presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória para extinguir o seguro DPVAT Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

PUBLICIDADE

O governo Lula propôs ao Congresso a criação do Seguro Obrigatório para Proteção de Vítimas de Acidentes de Trânsito (SPVAT), o “novo DPVAT”. A expectativa é arrecadar cerca de R$ 3,5 bilhões por ano com o pagamento dos motoristas, mas o dinheiro iria para um fundo administrado pela Caixa. A cobrança do DPVAT foi encerrada em 2021 pelo ex-presidente Jair Bolsonaro.

Nos bastidores do Congresso, o repasse para municípios pode ser uma “pegadinha” para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Se a cláusula passar, o petista seria pressionado a fixar um valor mais alto de contribuição obrigatória, ampliando o montante proporcionalmente entregue aos prefeitos.

Novo DPVAT também deve ser utilizado para ampliar financiamento do SUS

Mesmo se vier a contemplar os municípios, Zarattini deve manter no texto o repasse obrigatório de arrecadação do DPVAT ao SUS, tal como proposto pelo governo. O limite da reserva deve ficar entre 40% e 50%. Antes de o seguro ser extinto, o limite era de 45%

Publicidade

A volta do DPVAT chegou a entrar na pauta da Câmara na semana passada, mas a votação foi adiada para a apresentação de emendas. Bolsonaristas prometem usar a eventual aprovação para colar em Haddad a pecha de “pai de mais impostos”, num momento em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sofre com queda na popularidade.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.