PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Lula enfrenta campo minado no Congresso numa semana sem Haddad em Brasília

Sessão para apreciar vetos e as pautas da Câmara incluem matérias de impacto econômico, como Perse, desoneração da folha e partilha de emendas parlamentares; semana ainda tem PEC das drogas, ‘saidinhas’ e ministros em comissões

Foto do author Roseann Kennedy
Por Roseann Kennedy
Atualização:

O presidente Lula está diante de um campo minado no Congresso esta semana. A pauta inclui votações que podem implodir a meta fiscal, se o Centrão recuar nos acordos feitos com o governo antes da escalada da crise envolvendo o ministro Alexandre Padilha e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

A maior preocupação no Planalto é que deputados e senadores recuem nas tratativas e derrubem totalmente o corte de R$ 5,6 bilhões nas emendas de comissão. Com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no exterior, a tensão governista aumenta, pois fica mais difícil o diálogo com os parlamentares. Resultado: há incerteza, também, nos rumos dos projetos de lei da reoneração da folha salarial das prefeituras e do fim gradual do Perse, tudo na agenda desta semana.

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) Foto: WILTON JUNIOR/Estadão

PUBLICIDADE

O veto do presidente Lula ao projeto de lei que acaba com as saidinhas dos presos também desagradou a maioria dos congressistas, incluindo a base aliada. E tudo vai se refletir na pauta das duas Casas. A temperatura começará a ser medida na reunião do colégio de líderes da Câmara, nesta terça-feira, 16.

Em meio ao clima hostil, dois ministros que estão no alvo das críticas da oposição estarão em audiências públicas: Ricardo Lewandowski (Justiça), na Comissão de Segurança, e Nísia Trindrade (Saúde), na Comissão de Assuntos Sociais. Além deles, o ministro José Múcio (Defesa) e os comandantes das três Forças estarão na Comissão de Defesa.

Não bastasse a tensão com todos esses movimentos, a falta de força em pautas consideradas caras para a esquerda do presidente Lula também estará em evidência nas votações da PEC que criminaliza porte e posse de qualquer quantidade de drogas, programada para o plenário do Senado nesta terça e do pacote anti-invasões de terras programado para ser votado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.