EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

PSDB-SP chega às vésperas da janela partidária com risco de nova intervenção

Partido adiou mais uma vez, agora para o dia 6, a escolha de seu presidente estadual; impasse envolve os grupos que defendem o comando com Marco Vinholi ou com Paulo Serra, que preside a comissão provisória

PUBLICIDADE

Foto do author Roseann Kennedy
Por Roseann Kennedy
Atualização:

O PSDB de São Paulo adiou mais uma vez a eleição da executiva estadual, pois não consegue acordo sobre quem será o presidente do partido e corre risco de sofrer nova intervenção do comando nacional da sigla. Agora a data da eleição é 6 de março, véspera da janela partidária, quando a legenda pode sofrer uma debandada de vereadores, e se não houver decisão a cúpula tucana será acionada.

PUBLICIDADE

Nos bastidores ocorre uma guerra de versões sobre o motivo do impasses. Um grupo afirma que o ex-presidente do PSDB paulista Marco Vinholi é intransigente e não abre mão de voltar ao cargo, impossibilitando o acordo sobre a chapa única. Vinholi é ligado politicamente ao ex-governador João Doria e enfrenta rejeição da ala ligada ao governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

O outro grupo diz que a ala ligada a ao governador gaúcho é autoritária e quer impor o nome de Paulo Serra na cabeça da chapa, mas não teria votos para elegê-lo. Serra atualmente preside a comissão provisória, nomeada por Leite pouco antes de ele deixar a presidência nacional do PSDB.

Os tucanos Marco Vinholi, Eduardo Cury, Duarte Nogueira, Paulo Serra, Carlos Balotta, José Aníbal e Ricardo Tripoli. Foto: PSDB/Ascom

Vinholi nega exigir a presidência e sobre o risco de intervenção disse à Coluna do Estadão que não comentaria questões internas do partido. “O que o partido decidir estou junto. Não tenho nenhum pleito”, disse.

Paulo Serra afirmou à Coluna que não é candidato e que trabalha pela unidade do partido.

Publicidade

Nessa confusão, há quem defenda a escolha de Duarte Nogueira, prefeito de Ribeirão Preto, para a cabeça de chapa.

O PSDB iniciou a convenção no Estado no dia 25 de fevereiro e decidiu que teria chapa única, deixou a votação do nome para esse domingo, 3 de março. Diante da manutenção do impasse em torno do nome, transferiu a conclusão para este dia 6, véspera da abertura da janela partidária.

O presidente nacional do partido, Marconi Perillo, tem dito que “São Paulo deve resolver São Paulo”. No entanto, sabe que se o imbróglio continuar corre risco de perder composições das chapas municipais para disputa às prefeituras neste ano. Prefeitos têm manifestado por não saber como serão as articulações, já que não há comando estadual definido.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.