PUBLICIDADE

Dirigente do PT diz que Cappelli era ‘militante antipetista’ e ‘anti-Lula’ e defende presidente

Camila Moreno elogiou trabalho feito pelo número 2 do Ministério da Justiça, mas afirmou que cargo de ministro exige confiança e experiência

Foto do author Pedro Augusto Figueiredo
Por Pedro Augusto Figueiredo

Integrante da Executiva nacional do PT, Camila Moreno defendeu a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de não escolher o ex-secretário executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli, para suceder Flávio Dino (PSB-MA) e comandar a pasta.

PUBLICIDADE

A dirigente partidária elogiou o trabalho feito por Cappelli, mas disse que há menos de cinco anos ele era um “militante antipetista e anti Lula inveterado” e que o cargo de ministro da Justiça exige confiança. O escolhido pelo presidente para ocupar o posto foi o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

Cappelli foi procurado pelo Estadão, mas ainda não se posicionou. Como mostrou a Coluna do Estadão, ele tem um convite de Eduardo Paes (PSD-RJ) para se tornar secretário de Ordem Pública da Prefeitura do Rio de Janeiro.

“Cappelli apagou suas postagens desrespeitosas c/ o PT e Lula, mas se vocês derem um Google dedicado, vão encontrar em outras fontes. Lula não é rancoroso, tanto que ele pôde ter um espaço de tanta visibilidade e poder”, escreveu Camila em sua conta no X (antigo Twitter).

Lula deu autonomia a Lewandowski para montar sua equipe no Ministério da Justiça e, como revelado na coluna da Eliane Cantanhêde, pelo Estadão, Cappelli deixará o cargo. O secretário executivo tirou férias, mas anunciou que voltará ao trabalho até o fim do mês para ajudar na transição entre a gestão de Dino e a nova chefia.

O favorito para substituir Cappelli é o advogado Manoel Carlos de Almeida Neto. Ele fez parte da equipe de Lewandowski no STF e era o preferido do ex-ministro para substituí-lo no tribunal. Lula, porém, indicou seu advogado pessoal, Cristiano Zanin, para a Corte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.