PUBLICIDADE

Haddad diz que não pensa em ser sucessor de Lula, mas que PT precisa discutir ‘day after’ para 2030

Em entrevista ao jornal ‘O Globo’, ministro afirmou que nome do presidente é consenso dentro do PT e na base aliada para a busca pela reeleição em 2026

Foto do author Karina Ferreira
Por Karina Ferreira

Contrariando as previsões pessimistas que marcaram o início do Governo, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, conseguiu terminar 2023 acumulando números da economia além do esperado e aprovação da reforma tributária. Mesmo com desempenho considerado de destaque dentro do governo, o que o coloca como um forte candidato à sucessão do PT, o ministro afirmou que não pensa em se colocar como candidato à presidência depois de Luiz Inácio Lula da Silva. A declaração foi dada em entrevista ao jornal O Globo publicada nesta terça-feira, 2,

PUBLICIDADE

“O Lula foi três vezes presidente. Provavelmente, será uma quarta”, afirmou Haddad, fazendo referência à tentativa de reeleição em 2026. O ministro disse que, ao mesmo tempo que é “um trunfo ter uma figura política dessa estatura por 50 anos à disposição do PT”, também é um desafio grande pensar o “day after”, referindo-se a um nome para substituí-lo.

Haddad afirmou não participar das reuniões internas do PT sobre a possível sucessão e que, para 2026, há consenso dentro do partido e na base aliada para que Lula concorra ao quarto mandato. “Está pacificada. Não se discute”, afirmou ele sobre a questão.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse em entrevista a jornal que nome de Lula não se discute para 2026, mas que PT precisa começar a se preparar para a transição em 2030. "Eu não penso", respondeu ao ser questionado sobre se pensa em ser possível sucessor do presidente. Foto: Adriano Machado/Reuters

Segundo ele, o problema de um sucessor “vai se colocar” na eleição seguinte, alertando que o partido precisa começar a se preparar para a transição.

Com 47 milhões de votos nas eleições presidenciais de 2018, Haddad disse que a situação em que concorreu foi atípica e começou a ser decida na cadeia, enquanto Lula estava preso.

“Ninguém queria ser vice do Lula”, afirmou o ministro, que na época se engajou para que Ciro Gomes (PDT) ou Jaques Wagner (PT) fossem alternativas para a vice da chapa. Principalmente Jaques, por estar dentro do PT, afirmou o ministro.

Jaques Wagner, na época, desautorizou a inclusão de seu nome entre os prováveis planos “B” do PT enquanto a candidatura de Lula estivesse posta. Houve conversas com Ciro desde fevereiro daquele ano, discutindo possível aproximação entre partidos de centro-esquerda antes de início formal da campanha.

Publicidade

Na entrevista, Haddad fez considerações sobre a articulação política atual do governo. Ele avaliou que a relação com o ministro das Relações Institucionais Alexandre Padilha “está acontecendo”, e relembrou que os dois têm uma relação antiga de trabalho, na Prefeitura de São Paulo, e foram colegas de ministério.

“Falam que o pior emprego do mundo é o do ministro da Fazenda, mas tem concorrente, que é o do Padilha.”

Com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), Haddad disse que relação começou bem porque a situação era de crise, quando a transição de governo foi feita pelo Legislativo, algo inédito, uma vez que “o Executivo sumiu”.

Segundo Haddad, “as pessoas compreenderam o que estava em jogo” e a união foi fundamental para assegurar a democracia. “Nós não estamos discutindo quem vai ganhar o campeonato. Nós estamos discutindo se vai ter campeonato, porque, se a gente não se entender, a gente não chega em junho”.

PUBLICIDADE

A boa relação foi fundamental para que série de reformas e propostas fossem aprovadas no Congresso, alavancando o nome do ministro, mesmo que, para ele, Lula fique com os louros. “‘A inflação caiu, o emprego subiu. Viva Lula!’ E o Haddad é um austericida”.

Na entrevista, Haddad também falou das propostas econômicas do governo, enfatizou a aprovação da reforma tributária nos impostos sobre consumo, que ainda precisa ser regulamentada, e indicou que a reforma do Imposto de Renda pode ficar para 2025. “O desafio de aprovar em 2024 a reforma do IR é que, como temos eleições municipais, há um problema de janela, que vai ter que ser avaliado pela política”, disse, destacando que a regulamentação da primeira parte da proposta precisa ser votada primeiro.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.