PUBLICIDADE

Oposição faz ofensiva no STF e Congresso para derrubar perdão de Bolsonaro a Daniel Silveira

Partidos pedem que Supremo considere o decreto ilegal; parlamentares também apresentaram projetos para anular ato do presidente

Foto do author Weslly Galzo
Foto do author Julia Affonso
Foto do author Gustavo Queiroz
Foto do author Pepita Ortega
Por Weslly Galzo, Izael Pereira, Julia Affonso, Gustavo Queiroz e Pepita Ortega
Atualização:

BRASÍLIA E SÃO PAULO - O decreto do presidente Jair Bolsonaro que concedeu perdão ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) se tornou alvo de contestações no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Congresso Nacional.  Até a noite desta sexta-feira, 22, o PDT, a Rede, o Cidadania e o PT já haviam protocolado ações na Corte. Parlamentares de partidos como PSOL, MDB e também Rede e PT entraram com Projetos de Decreto Legislativo para anular o ato de Bolsonaro no Senado e na Câmara.

PUBLICIDADE

Em ação protocolada nesta manhã, a Rede reconhece que o presidente da República tem o direito constitucional de conceder perdão a um condenado pela Justiça, mas esse direito, sustenta, não pode ser desvirtuado para fins pessoais. "Assim como a imunidade parlamentar não pode servir de escudo protetivo para práticas de condutas ilícitas, também não se pode admitir que a prerrogativa de o Presidente da República conceder graça sirva para acobertar aliado político e particular da justa pena estabelecida pelo Poder Judiciário", diz a Rede.

A legenda pediu que todo o decreto de Bolsonaro seja anulado. Mas caso o STF venha a entender que o presidente pode perdoar a pena de prisão, o partido solicita que a Corte mantenha, pelo menos, a proibição de o deputado voltar a disputar eleições. Na quinta-feira, 21, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), divulgou nota em que defendeu a autonomia de Bolsonaro para conceder o perdão judicial, mas sustentou que Daniel Silveira, de acordo com a decisão do STF, está inelegível. O mesmo entendimento é compartilhado por parte dos ministros da Corte, segundo apurou o Estadão.

Daniel Silveira foi condenado pelo STF por promover ataques à Corte e ao Congresso, agressões aos próprios ministros do Supremo e divulgar atos antidemocráticos. Foto: Evaristo Sá/AFP

Procurada, a Advocacia Geral da União (AGU) informou que não irá se manifestará por não ter sido notificada das ações apresentadas no STF.

A Rede critica ainda a conduta de Bolsonaro, classificando a edição do decreto de perdão como um ato de interesse pessoal e eleitoreiro. O partido sustenta ainda que a decisão do presidente estimula a impunidade. "O presidente da República, com a edição do Decreto, transmite uma mensagem absolutamente temerária à população brasileira: trata-se de um verdadeiro e puro incentivo ao crime. Uma carta branca. Um salvo-conduto apriorístico. Uma garantia de impunidade. A certeza de que, do ponto de vista sistêmico, decisões judiciais que afetarem os seus círculos próximos não subsistirão." 

O partido também sustenta que o decreto reduziu os poderes do STF, ao tornar sem efeito a condenação judicial. "As tais quatro linhas da Constituição já parecem ter sido, há muito, cruzadas pelo Presidente da República, que, hoje, tão somente pegou a bola para si e acabou com o jogo institucional, reduzindo a competência constitucional desse Supremo, infelizmente, a pó", escreveu.

Outra legenda a recorrer ao STF contra o perdão presidencial foi o PDT. No documento que será encaminhado aos ministros, a sigla pede a suspensão imediata do ato e argumenta que Bolsonaro atacou a separação dos Poderes, abusando de prerrogativas do presidente para garantir o descumprimento de uma decisão judicial. Os trabalhistas classificaram o decreto como um “ato eminentemente autoritário”. 

Publicidade

“O perigo de lesão grave é inconteste, porquanto violou-se o regime democrático e os pilares estruturantes da Constituição Federal de 1988, de modo que não se pode permitir que o ato continue a perpetuar os efeitos nefastos e deletérios perante toda a ordem constitucional, na medida em que o referido decreto não é compatível com o Estado Democrático de Direito, no que, sob hipótese alguma, merece subsistir“, escreveu o partido.

Já o Cidadania destaca que a motivação do decreto editado por Bolsonaro para ‘perdoar’ Silveira é "manifestamente incompatível com os princípios republicano e da moralidade administrativa", em razão de o chefe do Executivo ter "utilizado da coisa pública para fins político-pessoais particulares, a saber, a proteção de aliado político e ataque institucional de finalidade eleitoreira a esta Suprema Corte".

A legenda sugere que o STF fixe a tese de que "incorre em desvio de finalidade e abuso de poder Presidente da República que concede indulto individual para perdoar pena de alguém apenas por ser aliado político, especialmente quando condenado por ato atentatório a instituições democráticas, como o Supremo Tribunal Federal".

Senado

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

No Senado, os parlamentares Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Fabiano Contarato (PT-ES) e Renan Calheiros (MDB-AL) apresentaram Projetos de Decreto Legislativo (PDL) alegando a inconstitucionalidade do ato do presidente na tentativa de derrubar o perdão a Silveira pela via legislativa. O decreto livra o deputado da condenação a 8 anos e 9 meses de prisão.

Em seu PDL, Randolfe sustenta que o decreto do presidente Jair Bolsonaro “é absolutamente incompatível com o preceito fundamental da separação de Poderes, na medida em que submete o Poder Judiciário, autônomo, essencial e soberano em seus julgamentos, ao crivo pessoal do Presidente da República”. E que ao editar o decreto, Bolsonaro transmite uma mensagem “absolutamente temerária à população brasileira”. “ Trata-se de um verdadeiro e puro incentivo ao crime”, completa.

Na avaliação do senador, não havendo, ainda, decisão condenatória transitada em julgado, “não há que se falar em efeitos da punibilidade penal a serem objeto de graça constitucional”. Randolfe afirma também que é patente o vício de ordem formal no Decreto Presidencial, “por não haver objeto para a concessão de graça constitucional, devendo o ato impugnado com o presente PDL ser declarado nulo, sob pena de se tratar a graça concedida em legítimo salvo-conduto, já que sequer há condenação definitiva”, pontua. 

Publicidade

Com justificativa parecida, Contarato defende em sua proposta que o decreto presidencial afronta a Corte e é inconstitucional. “Ao conceder graça a uma pessoa condenada no dia anterior pela Suprema Corte do país, o Presidente da República afronta diretamente esse princípio basilar, que sustenta, ao lado de outros princípios constitucionais, a Democracia brasileira”, escreveu. 

Ele argumenta que o decreto aponta “desvio de finalidade” por parte de Bolsonaro e, por isso, seria ilegal. Também alega que o descumprimento de ordem judicial pode resultar em crime de responsabilidade por parte de Bolsonaro. 

O senador Renan Calheiros também aderiu ao movimento. Em seu Twitter, disse que “derrotar o fascismo implica em duas frentes: jurídica e política”. O parlamentar apresentou uma reclamação à presidência do Supremo Tribunal Federal e um projeto de Decreto Legislativo no Senado. Nos dois pedidos, defende que o perdão concedido a Silveira seja anulado. 

“Ao conceder graça em pleno feriado nacional, a uma pessoa condenada no dia anterior pela Suprema Corte do país, o presidente da República afronta diretamente àquele princípio basilar, que sustenta, ao lado de outros constitucionais, a Democracia brasileira”, afirmou Calheiros no projeto que pede a revogação do decreto.

Câmara

A bancada do PSOL também apresentou um PDL para derrubar o decreto de Bolsonaro. No documento, o partido resgata que a prisão do parlamentar foi referendada pelo plenário da Câmara dos Deputados em fevereiro de 2021. A legenda também defende que a liberdade de se expressar "não pode se confundir com discurso de ódio e o incentivo à violência". 

"A graça concedida pelo Presidente da República, portanto, viola a separação dos poderes, o Estado Democrático de Direito e padece de evidente desvio de finalidade, também afrontando o princípio da moralidade e impessoalidade", escreveu a bancada do PSOL. 

Publicidade

O deputado Rogério Correia (PT-MG) também apresentou um projeto de Decreto Legislativo na Câmara para sustar o perdão de Bolsonaro, classificado como "abusivo" por ele. No documento, o parlamentar afirma que "por se tratar de crime de especial gravidade contra o Estado Democrático de Direito, as penas do senhor Daniel Silveira não são passíveis de indulto presidencial".

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), afirmou que o perdão de Bolsonaro foi "corretíssimo". Ao Estadão, o parlamentar também disse que o objetivo da oposição é desgastar o presidente com eleitores indecisos, "por isso questionam todas as decisões".

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI), general Augusto Heleno, declarou que "a atitude do presidente da República, em relação ao STF, tem por objetivo principal o respeito à Constituição"." Isso representa, em suma, a valorização da democracia e seus princípios. Desrespeitá-los abre as portas para o personalismo e para a insegurança jurídica", escreveu em uma rede social.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.