Veja quem é o homem preso por ameaçar ‘caçar Lula’ e pendurar ministros do STF ‘pela cabeça’

Youtuber Ivan Rejane Fonte Boa Pinto foi detido por ‘discursos de ódio’ e ‘incitação à violência’ após ordem do ministro Alexandre de Moraes

Foto do author Davi Medeiros
Por Davi Medeiros
Atualização:

Preso nesta sexta-feira, 22, por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), Ivan Rejane Fonte Boa Pinto mantém um canal no YouTube no qual se apresenta como “terapeuta” para dependentes químicos. Seus vídeos são repletos de xingamentos e palavras de baixo calão. Ele diz que sua “guerra” é “contra o tráfico de drogas”, mas seus alvos preferenciais são políticos de esquerda, a quem ele associa a existência do narcotráfico, e os ministros do Supremo, que, segundo ele, “mandam soltar esses vagabundos”.

PUBLICIDADE

“A minha vontade é meter uma bala na cabeça desses juízes e desembargadores, a minha vontade é tacar fogo neles”, afirma, em um vídeo publicado no dia 9 de julho.

Ivan diz oferecer tratamento on-line para dependentes químicos e seus familiares. Em seus vídeos no YouTube, ele trata o tema de forma incisiva e não convencional: “Se você é viciado em substâncias ou pessoas, sua vida é infeliz, sua vida é uma bosta, uma merda, um lixo, está na hora de mudar essa parada; me procura! Meu nome é Ivan Pinto, sou terapeuta e comigo o papo é reto”, afirma.

Ele diz, ainda, ministrar cursos e comandar grupos de ajuda mútua, além de oferecer atendimento de maneira “personalizada”. Além dos produtos vendidos pela internet, Ivan trabalha presencialmente no centro de reabilitação Centradeq, em Esmeralda (MG), onde ocorreu a busca e apreensão pela Polícia Federal.

A clínica confirmou ao Estadão que Ivan Pinto trabalha lá. A atendente do local, que não quis se identificar, afirmou que a Centradeq ainda não decidiu se vai afastá-lo e que o advogado de Ivan a orientou a não dar informações à imprensa.

Segundo a clínica, a busca e apreensão contra Ivan ocorreu de forma “tranquila e profissional”. “Vieram, fizeram busca e apreensão, mas tudo muito tranquilo e super profissional, tanto da polícia e o Ivan também ficou muito tranquilo. Não teve algema, não teve reação, não teve nada”, afirmou a atendente.

Ivan Pinto, dono do canal "TV Papo Reto" no YouTube, foi preso nesta sexta-feira, 22, por discurso de ódio e ataques à democracia. Foto: Reprodução

Ao decretar a prisão temporária, Alexandre de Moraes considerou que as declarações de Ivan Pinto nas redes sociais consistem em “discursos de ódio e incitação à violência” e se destinam a “corroer as estruturas do regime democrático e a estrutura do Estado de Direito”. Em uma publicação recente, o “terapeuta” afirmou que o próximo 7 de Setembro será a “culminância da indignação popular brasileira”. “Está na hora de invadir o STF”, disse.

Publicidade

“Eu vou dizer uma coisa para vocês, togados vagabundos (...) Nós não vamos só invadir o STF, não. Nós vamos pendurar vocês de cabeça para baixo”, disse no dia 8 de julho.

Ele também faz ameaças a políticos de esquerda, sobretudo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Eu vou dar um recado para a esquerda brasileira, principalmente para o Lula. Desgraçado, bota o pé na rua, que nós vamos te mostrar o que nós vamos fazer com você, seu vagabundo. Anda de segurança até o talo, que nós, da direita, vamos começar a caçar você, essa Gleisi Hoffmann, esse (Marcelo) Freixo frouxo, todos esses que te cercam”, afirma, em vídeo de 8 de julho.

Em vídeo publicado no dia 13 de julho, Ivan diz que vai passar em cima de esquerdistas “com um rolo compressor” e mandá-los para “a vala”. Ele divulga fake news sobre o processo eleitoral, dizendo que o Exército vai auditar “cada urna eletrônica” dentro da “sala secreta do TSE”, e faz ofensas homofóbicas a apoiadores da esquerda.

“Cambada de colorido, arco-íris, ‘tchutchuquinhas’, podem tremer, nós, da direita, vamos passar o carro, o rolo compressor over you. Se prepara, o terror está só começando”, diz.

Ivan foi candidato a vereador em Belo Horizonte pelo PSL nas eleições de 2020. Ele teve 189 votos e não foi eleito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.