PUBLICIDADE

Cachorro para criança: veja por que essa parceria é recomendada

Não sabe se deve ou não dar um bichinho para seu filho? Especialistas dizem que essa união diminui o estresse e aumenta a independência infantil. Mas é preciso ter alguns cuidados

PUBLICIDADE

Quatro meninas, um menino, três gatas, três cachorros, um peixe e duas galinhas. A dona de casa Camila Maciel, de 36 anos, e seu marido Odair José Miranda, de 35, gostam da casa assim, com muito convívio entre as crianças e bichos de estimação. “Essa interação é boa para o desenvolvimento delas, que aprendem a ter responsabilidade cuidando dos animais”, diz. 

PUBLICIDADE

A percepção da mãe é confirmada por psicólogos e especialistas em comportamento animal, embora não sejam necessárias justificativas para permitir essa amizade. Uma pesquisa publicada em junho, realizada com crianças de 8 e 9 anos no Reino Unido, demonstrou que uma interação semanal de 40 minutos com cães e o adestrador foi suficiente para reduzir os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, com efeitos duradouros. Estudos também indicam melhorias na imunidade, autoestima, capacidade de concentração e nas habilidades de empatia e socialização infantil.

Mas, para que essa relação seja segura e positiva tanto para os bichos quanto para os pequenos humanos, há alguns procedimentos e cuidados que devem ser considerados pelos adultos. A começar pela escolha do animal, que não deve ser feita por impulso, mas considerando as características e demandas de cada “candidato”. Cachorro, gato, coelhos e porquinhos-da-índia, tartarugas e peixes são os mais populares, lista a médica veterinária Khadine Kazue Kanayama, do Hospital Veterinário da Universidade de São Paulo (USP).

“Antes de adquirir um animal de estimação, os pais devem avaliar o espaço disponível, além de se programarem com relação ao aumento das responsabilidades e gastos com alimentação, vacinação, visitas ao veterinário, cuidados com higiene, compromisso com o animal por anos”, conta.

Manuela Jirousek, de 1 ano e três meses, deita e rola com os cachorros da casa Foto: Valéria Gonçalvez/Estadão

Quando Suzana Tomei Toniato, de 37 anos, teve seu filho León, hoje com 4 anos, a família tinha os felinos Francisco e Miramar – há um ano, ganharam a companhia de um terceiro gato, o Meia-noite. A interação do garoto com os bichos é ótima, embora os animais tenham sofrido um pouco com os puxões de rabo e dos pelos quando León ainda era bebê. “Com o tempo, ele foi aprendendo a ter uma interação tranquila e cheia de amor. Vejo que esse convívio ajuda a desenvolver a empatia e responsabilidade na criança. León presta atenção se falta comida e água para os gatos”, lembra Suzana.

Qual a raça ideal para conviver com crianças?

Os cães são campeões absolutos na preferência das famílias brasileiras. Mas a convicção dá lugar à dúvida na hora da escolha da raça. Segundo os especialistas consultados pelo Estadão, os cães podem ser treinados para ter um bom convívio com crianças – a agressividade não está relacionada apenas à sua raça. “Fatores como a idade, sexo, ambiente e até hormônios podem influenciar na agressividade. Cães podem ter comportamentos mais agressivos diante da dor, do medo, numa interação competitiva territorialista ou por posição hierárquica ameaçada”, ensina Khadine.

Publicidade

Ela explica que o temperamento de cada raça foi sendo selecionado por gerações, aumentando ou diminuindo certas características. Maltês, yorkshire, shih tzu, labrador, golden retriever, dachshund e o famoso vira-lata são considerados mais dóceis e brincalhões, por isso costumam ser indicados para famílias com crianças. Fila brasileiro, pit bull e rottweiler são relacionados à agressividade. “Mas não é possível generalizar, pois cães têm características individuais”, avisa a veterinária.

Ricardo Maeda, de 15 anos, com o pitbull Brownie: 'É meu melhor amigo' Foto: Valéria Gonçalvez/Estadão

Ricardo Maeda, de 15 anos, tinha 4 quando o pit bull Brownie chegou à sua casa, ainda filhote. “É meu melhor amigo”, confirma, convicto. Apesar da fama da raça, o cão nunca atacou ninguém ou demonstrou agressividade, garante a empresária Sabrina Mayumi Okada, de 31 anos, mãe de Ricardo. Segundo ela, o cão é muito sensível às emoções do garoto, que tem transtorno do espectro autista (TEA). “Quando o Ricardo era mais novo, tinha crises e se acalmava ao acariciar o Brownie. Meu filho aprendeu com o cão a importância do cuidado com o próximo, a respeitar a natureza. Percebe se o cão está triste, com fome ou frio”, ressalta. 

O que fazer com o cachorro quando chega um bebê?

A tendência do cachorro é cuidar das crianças, afirma o adestrador Ademar Venâncio da Silva, que treina cães há 45 anos. “Para que isso aconteça, é preciso que o animal se sinta totalmente seguro, confortável e relaxado”, observa. Quando faz o trabalho de socializar um cachorro, Silva não leva em consideração a raça e o porte dele. “Mesmo um cão brutamonte pode se relacionar bem com crianças”, analisa.

Mesmo um cão brutamonte pode se relacionar bem com crianças

Ademar Venâncio da Silva, adestrador

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Embora as pessoas queiram humanizar os cães, Silva alerta que eles nunca deixarão de ter comportamento de animais irracionais, que aprendem por indução e associação positiva. “O cão precisa ver a criança como algo bom que vai trazer uma vantagem para ele. Se um bebê chegar de forma repentina e o cão não receber mais carinho e for impedido de entrar no quarto, ele não vai aceitar bem a mudança.”

Acostumada a ser mimada pelos seus donos, Gipsy, uma cavalier king charles spaniel, ficou carente com a chegada, em 2021 de uma bebê à família Jirousek. “A Gipsy ficou pedindo mais atenção, querendo grudar ainda mais na gente”, recorda Claudia Jirousek, de 42 anos, mãe de Manuela – e de outros dois cães da raça shih tzu, Bruno e Tuco. Os bichos não sofreram restrições, nem foram impedidos de circular pelos ambientes da casa. Tiveram oportunidade de cheirar a bebê (e até dar uma lambidinha) para se familiarizarem. Hoje, Manuela tem 1 ano e, literalmente, deita e rola com os cães, além de dividir alguns brinquedos com eles.

Quando uma família está à espera de um bebê, a recomendação do adestrador Silva é começar a fazer uma adaptação gradual da rotina e do ambiente, para garantir a segurança da criança. Além disso, apresentar com antecedência acessórios que serão usados pelo bebê, como carrinho e andador. 

Publicidade

Meses antes da chegada do filho Pedro, a psicóloga Mayra Lovatto, de 31 anos, acostumou a pug Bisteka a dormir na sua caminha no chão, já que ela iria perder o seu aconchego na cama com a chegada do bebê. “Fiquei preocupada sobre como ela se sentiria, já que a atenção da casa sempre esteve voltada para ela. Nos preocupamos também com a segurança do Pedro, imaginando que ela poderia ficar mais agressiva, mas isso não aconteceu”, esclarece a mãe. Bisteka hoje convive bem com Pedro, de 7 meses, e o acompanha pela casa, embora ela não aceite ser tocada pelo bebê.

Quais os cuidados necessários?

Cães medrosos, que estão sempre na defensiva e não sabem avisar que não estão gostando, exigem mais cuidado. “De jeito nenhum esse cão deve ter acesso direto a uma criança. Não há espaço para experiências quando a segurança dela está em risco”, alerta o adestrador Silva. Os cães que reagem com exagero por conta da possessividade a um objeto, pessoa ou comida também podem oferecer um risco à integridade da criança. Nesse caso, o adestrador pode ajudar a família a realizar a “dessensibilização” dos objetos do cão, um processo que permite ao animal se desapegar dos seus brinquedos, aceitando uma troca de seu interesse.

Claudia Jirousek já tinha os cachorros quando a filha Manuela nasceu: convivência amistosa Foto: Valéria Gonçalvez/Estadão

O menino Valentim Scopelli dos Santos, de 3 anos, levou uma mordida por ter pegado um dos brinquedos do seu próprio cão, sem raça definida e de porte médio. “Não foi uma mordida funda, mas machucou o rosto, perto do nariz”, conta a tia, a médica veterinária e adestradora Raquel Scopelli. Nem por isso ele desistiu de brincar com cães. Nas férias com a tia, fez questão de conhecer Zuko, filhote que havia sido treinado por Raquel. “Ele foi resgatado, por isso era sensível. Priorizei a socialização dele em ambientes com crianças, parques, pois sabia que ele teria de conviver com meus sobrinhos.” 

Após explicar para Valentim que ele não poderia mexer no cão com força, a veterinária promoveu a primeira interação de ambos, com a oferta de petiscos. “Por alguns dias, deixei o Zuko em um cercado, com seus brinquedos, de forma que ele pudesse me observar brincando com o menino, para só então permitir o contato mais próximo, que foi muito tranquilo.”

Adestramento pode ser uma solução?

O adestrador não resolve os problemas do cão sozinho, avisa Raquel. “O adestramento nunca é uma solução, mas um caminho, a partir de um olhar geral que considera a rotina da família e o manejo do animal. Quando dizem que o problema é do cão, que ele é bravo, geralmente esquecem que o cão não é um brinquedo, mas uma vida com vontades e necessidades próprias que precisa ser respeitada. Ele pode estar sem paciência por conta de um estresse crônico”, observa. 

Publicidade

O adestramento nunca é uma solução, mas um caminho, a partir de um olhar geral que considera a rotina da família e o manejo do animal

Raquel Scopelli, veterinária e adestradora

O cão também pode ter vivido um trauma que o levou a um comportamento de generalização. “Quando ele vive uma experiência ruim com uma criança com uma determinada cor de roupa, por exemplo, tende a morder quando se depara com a mesma situação, para evitar que isso se repita.” Outro fator é a chamada “fase de socialização”, após o desmame. “Nesse período, muitas vezes o cão não está vacinado e por isso é impedido de sair na rua e ver outras pessoas e crianças. Se isso acontecer, ele poderá ter medo dessa interação.”

Raquel atendeu a família de Mariana Brandini Vanso, de 35 anos, empresária, mãe de Valentina, de 8 anos, e Francisco, de 4. A casa conta ainda com Baruc, um golden retriever macho, de 3 anos, e Noa, dálmata fêmea, de 1 ano. Ela ajudou a promover mudanças no comportamento dos cães, como fazer xixi no lugar certo, não comer os brinquedos das crianças e passear de forma mais tranquila.

“O adestramento ensina também os tutores a entender a linguagem dos cães, o que melhora o relacionamento com eles. O ambiente familiar ficou mais agradável

Mariana Brandini Vanso, mãe de dois filhos e tutora de dois cachorros

“Esses treinos facilitaram a nossa vida e a nossa relação”, admite Mariana. A mãe percebeu que Valentina aprendeu com Raquel a lidar melhor com os cães. “O adestramento ensina também os tutores a entender a linguagem dos cães, o que melhora o relacionamento com eles. O ambiente familiar ficou mais agradável.”

O que dizer para a criança quando o bicho morre?

Na sala da casa de Mariana, há duas caixinhas com as cinzas de dois animais de estimação que já morreram, Floquinho e Mel, junto de suas fotos. Quando Valentina nasceu, Mariana já tinha dois cães idosos, da raça shih tzu. Floquinho teve um linfoma e morreu quando Valentina tinha 3 anos. “Ela ficou muito sentida e não entendia o que tinha acontecido. A gente dizia que ela tinha virado uma estrelinha”, conta Mariana. 

Quando Mel ficou doente, também com linfoma, os pais falaram sobre a perda com antecedência. “Explicamos que teríamos que ajudar a Mel no que ela precisasse até o seu último segundo de vida, pois ela teria suas limitações e precisaria de muito carinho e atenção.” A cachorra morreu em maio, com muito choro das crianças. “Eles falam muito dela, sentem falta. Estão no processo de luto.”

Com a expectativa de vida mais curta que das pessoas, os animais de estimação oferecem às crianças uma oportunidade de vivenciar as mudanças e limitações da vida e lidar com os próprios sentimentos, explica a psicóloga Valéria Marques Oliveira, pesquisadora na área de psicologia do desenvolvimento. “Ela vai notar que quando o bicho envelhece já não tem mais disposição e que essa transformação faz parte do ciclo da vida. Quando o animal morre, a família deve se permitir chorar, como parte do luto. Com o tempo, a dor diminui e ficam as boas lembranças”, completa.

Publicidade

A psicóloga orienta as famílias a não mentirem, nem usarem de metáforas para amenizar o sofrimento da criança. “É melhor sempre falar a verdade, de forma objetiva, pois a criança pode se sentir ludibriada. E mesmo que ela faça as mesmas perguntas a respeito da morte, é preciso responder com paciência, pois a criança precisa disso para se reorganizar”, conclui. 

Mas, apesar dos momentos difíceis, a convivência entre animais e crianças vale a pena porque é feita principalmente de experiências positivas, com muita troca de afeto, reforça a psicóloga Valéria. “O animal não fala, nem tem pensamento lógico, mas aceita o seu dono de forma incondicional. Estão disponíveis e fazem com que a pessoa se sinta acolhida. Trata-se de um encontro de qualidade.”

A partir dessa convivência, a criança aprende sobre o respeito à vida e sua responsabilidade com o meio ambiente. É uma aprendizagem fantástica

Valéria Marques Oliveira, psicóloga

Ao desfrutar desse benefício, Valéria chama atenção para a importância da reciprocidade. “O animal tem hábitos e demandas, que devem ser respeitados pelos adultos, para que as crianças aprendam sobre o cuidado. A partir dessa convivência, a criança aprende sobre o respeito à vida e sua responsabilidade com o meio ambiente. É uma aprendizagem fantástica.” 

COMO MANTER UM BOM CONVÍVIO ENTRE CRIANÇAS E CACHORROS?

  • A escolha: A seleção do pet deve considerar o espaço disponível, custos, disponibilidade de cuidado. No caso dos cães, tenha em conta que não é só a raça que define o comportamento do animal. Não aja por impulso.
  • Seja realista: Cuidar de um animal dá trabalho – e não espere que a criança cumpra a promessa de que vai ser responsável por todas as tarefas relacionadas a ele. Crianças não têm competência de compreender qual é a amplitude dessa responsabilidade.
  • Estabeleça tarefas: Acompanhe a criança nas tarefas: o cuidado com o animal não deve ser encarado pela família como uma obrigação aborrecida e punitiva. Por isso, estabeleça tarefas para o seu filho conforme a idade dele, mas entenda que a criança pode precisar da sua ajuda. 
  • A chegada do bebê: Faça uma adaptação gradual: apresente roupas, cheiros, barulhos e acessórios ao animal. Faça com que ele perceba o lado bom da chegada de um bebê. Evite gritar com o bicho ou correr atrás dele com o bebê ou criança no colo.
  • Cada um na sua: Preserve a comida e os brinquedos do bicho: quando o animal entende um objeto ou pessoa como sua posse, pode se comportar com agressividade ao sentir uma ameaça de perda. Evite deixar os brinquedos e os potes de água e comida em locais de acesso das crianças. Crie um cantinho do sossego para o pet: garanta uma “rota de fuga” e um canto só dele. 
  • Supervisione: Adultos sempre devem ficar  de olho na interação entre crianças e animais. Se está na dúvida, não faça uma experiência, pois a segurança da criança deve ser prioridade.
  • Oriente: Explique para as crianças que elas não devem tocar o animal de estimação com força ou de forma bruta, nem se aproximar de bichos que não conhecem. No caso de bebês, fique atento aos sinais de estresse do animal. 
  • Observe os sinais de alerta: Antes de um cão atacar, geralmente ele mostra os dentes e rosna. Quando não quer ser tocado, vira o rosto, dá as costas. Também pode correr em torno da criança quando deseja silêncio ou calma. 
  • Saúde em dia: Quando um bicho sente dor, ele poderá atacar caso alguém ameace tocá-lo. Mantenha as vacinas do pet em dia. Note se o bicho está estressado: um animal pode se automutilar para gerenciar o seu estresse. 
  • Mantenha uma rotina: Os animais ficam ansiosos se não sabem o que poderá acontecer e podem direcionar o seu estresse para a criança.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.