Câncer de pele: Estudo descobre nova proteína responsável por espalhar a doença

A substância está atrelada ao melanoma, tipo mais agressivo de câncer de pele; inibi-la pode ser um caminho para impedir o surgimento de metástases

PUBLICIDADE

Por Giovanna Castro
Atualização:

Um novo estudo desenvolvido por pesquisadores da Queen Mary University of London, na Inglaterra, e publicado na revista científica Nature Cell Biology descobriu mais uma proteína responsável pelo espalhamento do melanoma, o tipo mais agressivo de câncer de pele. Chamada LAP1, a substância possibilita que as células cancerígenas mudem a forma de seu núcleo, tornando-as aptas a migrarem e se espalharem para outros órgãos.

PUBLICIDADE

Embora o melanoma represente apenas 3% dos casos de câncer de pele no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), ele tem os piores prognósticos pela gravidade e pela alta possibilidade de espalhamento para outros órgãos – por isso a importância da descoberta.

A identificação da LAP1 como uma das proteínas responsáveis pelo espalhamento das células cancerígenas propicia o desenvolvimento de novas medicações capazes de impedir o surgimento dessas metástases, aumentando as chances de cura da doença. No entanto, o estudo é um estágio inicial dentro deste processo, diz Guilherme Augusto Gadens, médico dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologista (SBD).

“É uma descoberta muito interessante e promissora, mas, sem dúvidas, outros estudos vão ser necessários para que a gente possa saber qual a aplicabilidade prática dessa descoberta”, diz Gadens. “Esses ‘achados’ sobre a proteína LAP1 foram encontrados em laboratório. Agora, certamente, outras pesquisas vão ser realizadas para comprovar realmente as hipóteses levantadas.”

A professora de biologia da Queen Mary University of London Victoria Sanz-Moreno, uma das responsáveis pelo estudo, disse em uma publicação da universidade que “atualmente, não há medicamentos que tenham como alvo o LAP1 diretamente, portanto, olhando para o futuro, gostaríamos de investigar maneiras de atingir o LAP1 e o envelope nuclear para ver se é possível bloquear esse mecanismo de progressão do melanoma”.

Proteína pode ser utilizada como um marcador para identificar precocemente a agressividade do melanoma Foto: Suzanne DeChillo/The New York Times

O câncer de pele e as metástases

O câncer de pele é o tipo de câncer mais frequente no Brasil, correspondendo a 30% dos diagnósticos da doença, segundo dados do Inca. Em todos os seus tipos, o espalhamento do câncer por meio das metástases é a principal causa de morte. Em boa parte dos casos, quando descoberto no início, antes do aparecimento das metástases – o que pode acontecer de forma acelerada –, a doença tem cura.

Estudos anteriores sobre câncer de pele já haviam mostrado que algumas proteínas são responsáveis pelo espalhamento da doença. Neste novo, financiado pela Cancer Research UK, os pesquisadores descobriram que, entre essas proteínas, as células agressivas de melanoma abrigam altos níveis da LAP1.

Publicidade

Fazendo uma medição dos níveis de proteínas no tumor de pacientes com melanoma por tipo, os cientistas perceberam que o aumento nos níveis da LAP1 estava associado a um mau prognóstico, ou seja, a um desfecho pior do quadro de câncer. Em adicional, quando a esquipe bloqueou a produção da substância nas células cancerígenas, elas diminuíram a sua capacidade de locomoção.

O relatório da pesquisa ressalta, no entanto, que o bloqueio da produção de proteína LAP1 não mata ou diminui o tumor, nem impede o surgimento de metástases, apenas faz com que as chances do melanoma se espalhar sejam menores.

Como prevenir o câncer de pele?

Tão importante quanto o tratamento precoce é a prevenção. Veja recomendações dos especialistas para se prevenir contra o câncer de pele.

PUBLICIDADE

  • Proteja-se do sol. Evite exposição ao sol em horários de maior intensidade, como entre 10h e 16h. Se não for possível, adote proteção, como filtros solares, lugares com sombra e roupas com proteção contra raios ultravioleta.
  • Utilize o FPS ideal. Ao escolher o protetor solar, evite aqueles com FPS menores que 30. Pessoas de pele clara ou sensível, devem investir em FPS mais altos.
  • Protetor solar é rotina. Não é apenas nos momentos de lazer, como na piscina ou na praia, que o filtro solar deve ser usado. Ele deve fazer parte da rotina e reaplicação a cada duas horas – em especial em situações que envolvem suor ou contato com água.
  • Fatores hereditários. O dermatologista explica que as chances de um paciente com histórico familiar desenvolver câncer de pele são maiores. Por isso, se esse for seu caso, adote cuidado de proteção, observe sua própria pele com frequência e tenha acompanhamento com um médico especialista.
  • Procure um dermatologista. A recomendação é ir ao dermatologista pelo menos uma vez ao ano. Dessa forma, é possível ter um acompanhamento frequente e identificar de forma precoce qualquer alteração na pele.
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.