Conhece a flutuação terapêutica? Feita em cápsula com água e sal, ela promete relaxar corpo e mente

A cápsula se assemelha a uma banheira de hidromassagem, e a presença de um tipo especial de sal ajuda o corpo a boiar; especialistas avaliam efeitos na saúde

PUBLICIDADE

Por Rachel Zimmerman (The Washington Post)
Atualização:

A terapia de flutuação, que envolve flutuar em um tanque com água morna e saturada de sal, é uma forma popular e muitas vezes cara de relaxamento. Agora, um pequeno, mas crescente corpo de pesquisa sugere que ela também pode reduzir sintomas de uma variedade de condições de saúde mental.

A maioria das sessões em tanques de flutuação dura cerca de uma hora. Durante uma experiência típica, uma pessoa se despe em uma sala privada e entra na cápsula, que pode se assemelhar a uma banheira de hidromassagem de grandes dimensões. A cápsula é preenchida com água rasa, na temperatura do corpo, que é saturada com sais de Epson para sustentar seu corpo. Você pode deixar a cápsula aberta ou fechar a tampa para ficar encapsulado em um ambiente livre de luz e som.

Passar um tempo em tanques de flutuação pode trazer benefícios à saúde, defendem alguns especialistas. Foto: milanmarkovic78/Adobe Stock

PUBLICIDADE

Especialistas dizem que a terapia de flutuação parece funcionar em vários níveis, intensificando os sentidos, auxiliando no relaxamento e acalmando o corpo e a mente. “Ela acalma a mente, afia nosso senso do corpo e nos ajuda a viver o momento. Tudo isso pode quebrar o ciclo de pensamentos negativos,” diz Sahib Khalsa, pesquisador principal e diretor clínico no Laureate Institute for Brain Research em Tulsa, um centro de pesquisa em terapia de flutuação.

Abby Michel, 27, estava em terapia para ansiedade desde que se formou no ensino médio. Quando se mudou para Boston em 2019, ela foi contratada como recepcionista no Indoor Oasis, um centro de bem-estar com tanques de flutuação. Michel conta que começou a flutuar regularmente, e isso se tornou “uma ferramenta importante no kit” para gerenciar sua ansiedade. “Isso se tornou como um ritual,” ela informa. “Você relaxa e começa a ver a vida de uma perspectiva mais distante.”

A pesquisa sobre os benefícios da terapia de flutuação para a saúde mental é mista e limitada. Alguns estudos mostraram que a terapia de flutuação pode reduzir sintomas de uma variedade de condições, incluindo transtorno de ansiedade generalizada, bem como depressão e ansiedade. A terapia também parece baixar a pressão arterial e diminuir a dor após exercícios de alta intensidade.

Pesquisas preliminares sugerem que ela pode minimizar o desejo em doenças relacionadas à adição. Uma meta-análise de 2021 de estudos sobre terapia de flutuação para condições de saúde mental encontrou “evidências limitadas” de dois ensaios controlados randomizados que flutuar pode reduzir a ansiedade e sintomas associados à ansiedade, incluindo tensão muscular, dificuldades de sono e depressão.

Marc Wittmann, um pesquisador de cérebro e percepção do tempo baseado em Freiberg, Alemanha, compara a experiência de flutuação à meditação. “Durante a meditação, você sente que perde os limites do seu corpo”, afirma Wittmann, que usa tanques de flutuação em algumas de suas pesquisas. Ele diz que este sentido de dissolução do próprio corpo está correlacionado com menor ansiedade, de acordo com sua própria pesquisa que ainda não foi publicada.

Publicidade

Uma explicação para os possíveis benefícios da flutuação para a saúde mental é que ela pode realçar um processo biológico conhecido como “interocepção”. Interocepção é definida como o processo pelo qual o sistema nervoso “sente, interpreta e integra” sinais do corpo - essencialmente como o cérebro entende o corpo. Uma disfunção da interocepção pode desempenhar um papel na ansiedade e distúrbios alimentares, entre outras condições de saúde mental.

Um problema em avaliar terapias específicas, como a flutuação, é separar os vários mecanismos em ação, pondera Wen Chen, chefe do ramo dos Institutos Nacionais de Saúde para pesquisa básica e mecanicista em saúde complementar e integrativa. “Há algo especial sobre a flutuação, ou não?”, ela indaga. “Talvez você esteja apenas em um ambiente muito relaxante, então quão único é comparado a outras técnicas de relaxamento que temos?”

Alguns pesquisadores estão estudando se a terapia de flutuação pode ajudar pessoas com distúrbios alimentares. Um estudo financiado pelo NIH, que está atualmente recrutando pacientes, investigará como aumentar a terapia de flutuação com psicoterapia focada em interocepção pode melhorar a ansiedade e a imagem corporal em pacientes com anorexia nervosa.

Em outro estudo, um ensaio controlado randomizado que incluiu 68 mulheres e meninas hospitalizadas por anorexia, pesquisadores relataram que sessões de flutuação duas vezes por semana melhoraram os níveis de insatisfação corporal, uma característica da doença.

PUBLICIDADE

As pacientes viram imagens de diferentes formas e tamanhos corporais e os cientistas pediram para escolher a imagem que melhor correspondia aos seus próprios corpos e ao seu corpo ideal. Logo após a terapia de flutuação, e novamente seis meses depois, pacientes mostraram reduções “significativas” na insatisfação corporal, significando que escolheram imagens de corpos que mais se aproximavam dos seus, demonstrando uma imagem corporal menos distorcida, disseram os pesquisadores.

“Flutuar pode desviar a atenção de como o corpo parece para como ele se sente, promovendo uma imagem corporal mais saudável”, diz Khalsa, autor sênior do estudo.

A demanda do consumidor por tanques de flutuação está crescendo. De acordo com uma estimativa, agora há perto de 400 centros de flutuação nos Estados Unidos, aumentando de cerca de 50 em 2010.

Muitos dos novos centros de flutuação são bem diferentes dos tanques de “deprivação sensorial” tornados infames na cultura pop com filmes como “Estados Alterados.” Atualmente, as pessoas podem adicionar música calmante e iluminação serena às suas experiências de flutuação e escolher piscinas menos claustrofóbicas que são mais como banheiras de hidromassagem ao ar livre.

Justin Feinstein, diretor e presidente do Float Research Collective sem fins lucrativos, que está arrecadando fundos para conduzir mais pesquisas, diz que muitos médicos ainda têm visões desatualizadas sobre a prática. “Flutuar tem sido referido como ‘deprivação sensorial,’ o que eu acho que é um equívoco,” comenta Feinstein. Ao contrário, ele diz, pacientes relataram “realce” de sensações internas durante a flutuação, como notar sua respiração e batimentos cardíacos.

Para algumas pessoas, flutuar pode oferecer alívio profundo. Após uma série de tratamentos malsucedidos para distúrbios alimentares, Emily Noren, 28, de San Diego, tentou flutuar. No início, ela achou a experiência desconfortável. Mas ela resistiu ao primeiro flutuar de 90 minutos e voltou para mais. “O tanque de flutuação me ajudou a dar uma pausa do mundo real, uma pausa do meu corpo por um pouco,” diz Noren, que publicou um livro, “Unsinkable,” sobre a experiência.

“Antes, eu ouvia a voz do distúrbio alimentar, a voz do comercial de dieta, a influenciadora que perdeu peso, a voz do trauma do pai. No tanque de flutuação, eu podia ouvir minha própria voz.”

Marty Gibbons, proprietário de um negócio de contratação em Portland, Ore., usou flutuação para evitar tomar analgésicos após quebrar a perna em um acidente de paraquedismo. “Comecei a flutuar três vezes por semana por seis meses seguidos”, conta Gibbons, que não queria tomar medicamentos prescritos para dor. “Eu não tomei um opioide. Eu flutuei e usei gelo. Esse foi meu regime de dor.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.