PUBLICIDADE

Dengue: comitê do Ministério da Saúde dá aceno favorável à compra da vacina, mas reclama do preço

Consulta pública corre pela metade do tempo tradicional, pois a pasta classifica a deliberação como urgente devido à possibilidade de aumento de casos no verão; Conitec deu parecer inicial favorável, mas pede redução do valor à farmacêutica, que informou estar disposta a negociar

Foto do author Leon Ferrari
Por Leon Ferrari
Atualização:

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), do Ministério da Saúde, decidiu, na quarta-feira, 6, abrir uma consulta pública para levantar a opinião da população sobre a inclusão da vacina Qdenga, da Takeda, contra os quatro sorotipos da dengue (1, 2, 3 e 4), no SUS. O parecer inicial do órgão é favorável, desde que haja uma redução do preço pela farmacêutica. É possível enviar sugestões entre sexta, 8, e o dia 18 de dezembro. O tempo é a metade do normal, pois a pasta classifica a deliberação como urgente devido à possibilidade de aumento de casos no verão.

PUBLICIDADE

Conforme mostrou o Estadão, em novembro, 2023 já é o segundo ano com mais casos prováveis da doença desde 2000, perdendo apenas para 2015. Na época, a pasta informou que se preocupava com um aumento de casos acima do esperado para a época e enviou nota técnica com esse alerta para os Estados. Com as mudanças climáticas e medidas de controle pouco eficazes, a dengue dispara no Brasil e em outros países ano após ano.

“A avaliação inicial favorável da Conitec, condicionada a uma adequada negociação de preços para a vacina ser usada na estratégia do PNI (Programa Nacional de Imunizações), nos dá certeza de que poderemos contribuir de modo ainda mais abrangente para o combate à dengue. Esse processo de incorporação poderá se constituir em uma alternativa importante para auxiliar no enfrentamento da doença, alinhada às demais estratégias já implementadas atualmente”, destacou a ministra da Saúde, Nísia Trindade.

Vacina Qdenga é comercializada no Brasil pela Takeda  Foto: Divulgação/Takeda

A vacina, que pode ser usada independentemente de o paciente ter ou não registro de infecção prévia, deve ser administrada em um esquema de duas doses, com intervalo de três meses. O imunizante confere uma proteção de 80% contra a dengue sintomática e 90% contra hospitalizações.

Em nota, o ministério informou que, na reunião, a “Comissão recomendou inicialmente a incorporação do imunizante para localidades e públicos prioritários, que serão definidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), considerando as regiões de maior incidência e transmissão e nas faixas etárias de maior risco de agravamento da doença”. O pedido do laboratório sugere a inclusão para duas faixas etárias (de 4 e 55 anos).

Por uma questão de “sustentabilidade”, segundo a nota, essa recomendação inicial é condicionada a uma redução de preço pela fabricante. A empresa já havia apresentado um desconto, com a dose saindo por R$ 170 reais, mas a Conitec considera que o valor “ainda é alto”. “É duas vezes maior que as vacinas mais caras incluídas no programa.”

Ao Estadão, a Takeda informou que está “aberta para uma negociação de preço que viabilize a incorporação e o acesso da população elegível” à vacina. “Estamos comprometidos em garantir o acesso dos brasileiros à Qdenga principalmente nesse momento em que os casos de dengue estão crescendo, resultando em mortes e hospitalizações.”

Publicidade

Embora as medidas “clássicas” de controle do mosquito Aedes Aegypti, vetor da doença, sejam importantes, elas não têm dado conta do recado – falamos de estratégias como o fumacê de inseticida, e também combate aos criadouros dos mosquitos. Por isso, ano a ano, a dengue avança no Brasil e no mundo. Segundo especialistas, para solucionar o problema, é preciso contar com vacinação, medidas de controle vetorial inovadoras – como o método Wolbachia – e desenvolvimento de tratamentos para a doença.

Rito da Conitec

A Conitec é uma comissão do Ministério da Saúde que decide sobre a incorporação de qualquer tecnologia no SUS. A avaliação do órgão se pauta no custo-efetividade do produto ou da terapia. O processo de avaliação tem prazo de 180 dias, prorrogáveis por mais 90.

Após analisar os posicionamentos do público, a decisão final da comissão é feita e enviada para a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Complexo da Saúde (SECTICS). Essa última pode decidir abrir uma audiência pública sobre o tema ou publicar a recomendação no Diário Oficial da União, tornando-a válida.

Durante a pandemia da covid-19, boa parte das vacinas não precisaram passar pelo crivo da comissão devido ao decreto de emergência de saúde pública. O único imunizante contra o coronavírus que passou pelo rito tradicional foi a Pfizer Baby, uma vez que o decreto havia sido derrubado.

PUBLICIDADE

Em março deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro da Qdenga. É a segunda vacina contra a doença a receber registro no Brasil, mas a primeira que pode ser usada independentemente de o paciente ter ou não registro de infecção prévia pelo vírus da dengue. Isso porque a primeira, do laboratório francês Sanofi Pasteur e aprovada no País em 2015, só pode ser aplicada em quem já contraiu algum sorotipo da dengue, porque aumenta a ocorrência da forma grave da doença em pessoas nunca antes infectadas pelo vírus.

A Takeda disse ter feito a proposta à Conitec em 28 de julho. Em 5 de outubro, disseram, a comissão discutiu a vacina e, em 13 de novembro, fez um pedido de perguntas adicionais. As novas informações foram discutidas numa nova reunião que ocorreu na quarta, 6.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.