PUBLICIDADE

Eris: Nova variante da covid já é dominante nos EUA; o que sabemos até agora?

Essa subvariante da Ômicron também já foi detectada na Grã-Bretanha, Índia e Tailândia

Por Grace Moon, Niha Masih, Adela Suliman e Fenit Nirappil
Atualização:

THE WASHINGTON POST – O novo coronavírus não desapareceu. Com o advento de vacinas bem-sucedidas e melhor gestão social, no entanto, diminuiu.

PUBLICIDADE

Globalmente, mais de 1 milhão de novos casos de covid-19 e mais de 3,1 mil mortes foram relatados nos 28 dias que antecederam 3 de agosto, de acordo com o último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso aumentou o número de mortos pela doença para quase 7 milhões desde o início da pandemia.

A atenção de especialistas em saúde pública em todo o mundo está sendo atraída por uma nova subvariante, conhecida como EG. 5 ou Eris, que está se tornando uma cepa dominante em países como Estados Unidos e Grã-Bretanha.

Profissional de saúde coleta uma amostra de swab de uma mulher para teste de covid em Porto Alegre, no Brasil Foto: Diego Vara/Reuters

O que é a EG. 5?

O EG. 5 é uma subvariante e descendente da Ômicron – que continua sendo a cepa de coronavírus mais prevalente no mundo. Ela ultrapassou por pouco outras descendentes da Ômicron que circulam nos Estados Unidos e agora responde pela maior proporção de casos de covid em todo o país, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Usuários do Twitter e alguns meios de comunicação apelidaram-na, não oficialmente, de “Eris”, de acordo com a nomenclatura grega, mas esse nome não é usado oficialmente pela OMS.

Todos os vírus evoluem e mudam com o tempo. O virologista e pesquisador Stuart Turville, professor associado da Universidade de New South Wales, em Sydney, chamou a EG.5 de “um pouco mais traiçoeira” e “competitiva” do que suas parentes, capaz de “navegar melhor na presença de anticorpos” produzidos pelas vacinas. No entanto, evoluiu apenas ligeiramente para “dar a ela uma melhor capacidade de se envolver e entrar nas células um pouco melhor”, disse.

EG.5 pertence a uma família de subvariantes “todas dentro do guarda-chuva geral da Ômicron”, disse o professor Srinath Reddy, da Fundação de Saúde Pública da Índia. Tal como acontece com outras variantes da Ômicron, é “menos invasiva e letal no corpo”.

Publicidade

“Está claro que veremos essa variante em particular ter seu período de domínio por algum tempo antes de ser substituída por outra”, disse ele. “Essa é a natureza do vírus.”

A EG.5, embora mais infecciosa, não é mais virulenta, e a resposta a ela é geralmente a mesma de outras variantes, porque “o impacto no corpo humano é praticamente o mesmo”, acrescentou.

Quais sintomas estão associados à EG.5?

Os sintomas dessa subvariante permanecem comuns ao coronavírus em geral e podem variar de efeitos leves a doenças mais graves. Eles podem incluir tosse, febre ou calafrios, falta de ar, fadiga, dores musculares ou corporais, perda de paladar ou olfato e dores de cabeça.

De acordo com Reddy, a EG.5 tende a causar sintomas como coriza, espirros e tosse seca. Ele acrescentou, no entanto, que com as flutuações sazonais e a falta de testes, diferenciar uma infecção da EG.5 de uma gripe ou resfriado comum pode ser difícil.

Vacinas e reforços ainda devem ser incentivados, assim como práticas sociais seguras, como usar máscaras e manter os quartos bem ventilados, dizem especialistas em saúde.

Os idosos podem ser mais vulneráveis a novas cepas, pois o efeito da vacinação pode diminuir mais rapidamente. Mas EG.5 não deve ser um motivo imediato de preocupação, disse Reddy.

Em que locais a EG. 5 foi relatada?

Nos Estados Unidos, a EG.5 é a mais prevalente, de acordo o CDC – ela é responsável por 17,3% de todos os casos de covid relatados durante o período de duas semanas, encerrado em 5 de agosto.

Publicidade

Casos da subvariante EG.5 foram relatados em países como Grã-Bretanha, Índia e Tailândia. A EG.5 foi sinalizada pela primeira vez no início de julho, disse a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido, após relatos do surgimento na Ásia. Quase 12% de todas as amostras sequenciadas no final de julho foram classificadas como EG.5, disse a agência.

Quão perigosa pode ser a EG.5?

“Atualmente, não há evidências que sugiram que cause doenças mais graves”, disse Andrea Garcia, vice-presidente de ciência, medicina e saúde pública da Associação Médica Americana, no final de julho. “E o CDC está indicando que ela parece ser suscetível a vacinas contra o coronavírus, o que é uma boa notícia”, acrescentou.

Turville acha que a variante não é uma “preocupação significativa”, apesar do fato de “transmitir bem”, e aconselha aqueles que não receberam vacinas de reforço ou foram vacinados ou infectados com coronavírus nos últimos seis meses a considerar a imunização.

Os novos reforços funcionarão contra a EG.5?

Nos Estados Unidos, as autoridades de saúde estão se preparando para administrar, neste outono, doses de reforço de vacinas contra o coronavírus feitas com uma nova fórmula voltada para as subvariantes XBB, que foram responsáveis pela maioria das infecções em 2023.

O médico Eric Topol, professor de medicina molecular na Scripps Research, disse que há sobreposição suficiente entre as diferentes variantes para acreditar que o novo reforço protegeria as pessoas infectadas com EG.5 contra doenças graves. Ele disse que os reforços atualizados estarão melhor alinhados contra os vírus que circulam agora do que a fórmula atual voltada para a BA.5, subvariante que se tornou dominante no verão de 2022.

A ascensão da nova subvariante ilustra os desafios que as autoridades de saúde pública enfrentam ao tentar acompanhar um vírus em constante evolução, disse Topol.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.