PUBLICIDADE

Japão confirma mais 3 casos de coronavírus em navio cruzeiro; país tem 64 casos

Cruzeiro atracou no cidade de Yokohama na segunda-feira e soma 64 infectados, entre eles um argentino

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

YOKOHAMA - Três novos casos de infecção pelo coronavírus foram detectados nas últimas horas no navio de cruzeiro Diamond Princess, que está atracado no porto japonês de Yokohama, segundo informou o Ministério da Saúde do Japão

Passageiros do cruzeiro estão em quarentena dentro do navio e são obrigados a usar máscaras quando estão fora dos quartos Foto: Sadayuki Goto/Kyodo News via AP

PUBLICIDADE

Com esses casos, o número de infecções detectadas a bordo do navio chega a 64 e, no Japão, próximo a noventa, de acordo com o último balanço das autoridades japonesas.

O Ministério da Saúde do Japão informou em comunicado que dos seis testes realizados nas últimas horas entre os ocupantes da Princesa Diamante, três foram positivos. 

Os novos contaminados foram transferidos para centros médicos para tratamento, disse a fonte oficial. O navio foi colocado em quarentena de duas semanas ao chegar a Yokohama em 3 de fevereiro.

Em meio a uma epidemia que já matou mais de 700 na China continental, o Ministério da Saúde do Japão disse neste sábado, 8, que cerca de 279 das 3.700 pessoas a bordo do navio quando chegou foram testadas para o vírus.

Os casos detectados no navio não incluem um cidadão de Hong Kong infectado que também estava viajando no cruzeiro e desembarcou na região autônoma da China antes do navio continuar sua jornada para o Japão.

O Ministério da Saúde informou hoje que dois dos três novos casos detectados são de nacionalidade americana e o outro da China. Entre os casos anteriores anunciados pelas autoridades japonesas está um argentino, e a maioria é japonesa.

Publicidade

Segundo o último balanço divulgado em Pequim no sábado pelas autoridades chinesas, o surto de coronavírus que surgiu na cidade de Wuhan afetou 34.546 pessoas naquele país e causou a morte de 722. /Reuters e EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.