PUBLICIDADE

O que é pneumonite, doença que matou Abilio Diniz

O termo é usado genericamente para designar inflamações no pulmão; entenda as diferenças em relação à pneumonia

Por Lara Castelo
Atualização:

Neste domingo, 18, o empresário Abilio Diniz morreu aos 87 anos por insuficiência respiratória em decorrência de uma pneumonite. O fundador do Grupo Pão de Açúcar (GPA) estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

O que é pneumonite?

Assim como a maioria das palavras com a terminação “ite”, a pneumonite é uma inflamação, no caso, pulmonar. Trata-se, segundo o pneumologista Gustavo Prado, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, de um termo genérico usado para designar inflamações no pulmão.

Qual a diferença entre pneumonite e pneumonia?

De acordo com o especialista, ambas são inflamações no pulmão, o que muda é a causa. Enquanto a pneumonia costuma estar associada a agentes infecciosos, como bactérias e vírus, a pneumonite está ligada a gatilhos externos ou processos chamados de autoimunológicos.

O empresário Abilio Diniz morreu no domingo, 18, vítima de uma insuficiência respiratória decorrente de pneumonite. Foto: Amanda Perobelli/Estadão Foto: Amanda Perobelli/Estadão

Segundo Prado, a pneumonia é mais comum, mas é possível que ambas coexistam. Ele dá um exemplo: “Um paciente que perde a consciência, vomita e acaba aspirando o conteúdo gástrico para o pulmão pode desenvolver pneumonite, devido ao conteúdo ácido, e também pneumonia, devido aos resíduos orgânicos, capazes de causar infecções”, descreve.

Quais são as principais causas da pneumonite?

  1. Inalação de substâncias químicas (como fumaça de incêndio, conteúdo ácido presente em vômito, veneno, poeira, mofo, entre outros);
  2. Doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide;
  3. Uso de alguns medicamentos. “Podem ser oncológicos, antibióticos, anti-hipertensivos, entre outros”, pontua Prado.

Quais complicações podem ocorrer devido à pneumonite?

De acordo com a pneumologista Margareth Dalcolmo, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a principal complicação da pneumonite é a fibrose pulmonar. “Trata-se de uma reação inflamatória que leva ao endurecimento do pulmão. É irreversível e pode levar à insuficiência respiratória e morte”, define.

Apesar de não haver cura, a especialista destaca que há remédios para tratar os sintomas e impedir o escalamento da gravidade.

Publicidade

A pneumonia, por outro lado, não costuma ocasionar fibrose pulmonar — o que não impede, porém, que ela cause insuficiência respiratória e também leve ao óbito, segundo a especialista.

Quais os sintomas da pneumonite?

De acordo com informações do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT), os principais sintomas da pneumonite são:

  • Tosse persistente;
  • Dificuldade para respirar;
  • Fraqueza;
  • Falta de ar.

“Se a tosse e o cansaço estiverem impedindo a realização das atividades de rotina, vale a pena procurar um especialista”, orienta o pneumologista do Oswaldo Cruz.

Como é feito o diagnóstico de pneumonite?

A partir do histórico clínico do paciente, de exames de imagem (como radiografia de tórax) e de exames de sangue, responde Prado. “Quando o paciente comenta sobre um episódio de perda de consciência, por exemplo, normalmente associamos à pneumonite. Por outro lado, se há queixas de febre, catarro ou síndrome gripal, que correspondem a um quadro de infecção, costuma ser pneumonia”, diferencia.

Qual o tratamento da pneumonite?

Segundo a presidente da SBPT, o tratamento consiste essencialmente no uso de corticosteróides (isto é, anti-inflamatórios hormonais).

No caso das pneumonites infecciosas (pneumonias), por outro lado, o tratamento é baseado no uso de antibióticos, de acordo com o GBOT. “Em casos mais graves, pode ser necessário também o uso de oxigênio e/ou ventilação mecânica”, destaca a instituição.

Publicidade

Como prevenir a pneumonite?

Como a pneumonite costuma ser decorrente de eventos pontuais – como um incêndio ou perda de consciência –, ela é de difícil prevenção, de acordo com Prado.

“Apesar disso, pessoas com dificuldade no processo de deglutição, seja por complicações cirúrgicas, câncer de garganta ou sequelas neurológicas, têm mais risco de aspirar resíduo alimentar e desenvolverem pneumonite. Por isso, devem ficar mais alertas”, destaca.

O especialista comenta também sobre a importância de não fumar para prevenir doenças no trato respiratório de forma geral. “Seja tabaco, cigarro tradicional ou cigarro eletrônico, todos eles criam um ambiente inflamatório no pulmão e diminuem a resposta pulmonar a inflamações”, diz.

Em relação à pneumonia, o GBOT recomenda a lavagem frequente das mãos para evitar o contato com agentes infecciosos.

Além disso, Margareth destaca a vacinação como uma forma de prevenção contra casos de pneumonia. “A vacina aumenta a resposta imunológica contra vírus e bactérias que podem causar pneumonia”, explica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.