PUBLICIDADE

Rio de Janeiro registra primeiro caso de febre oropouche; conheça a doença

Amazonas observa escalada de casos da doença neste início do ano; sintomas são parecidos com os da dengue

Foto do author Lara Castelo
Por Lara Castelo
Atualização:

Na quinta-feira, 29, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) registrou o primeiro caso de febre oropouche no estado. O paciente é um homem de 42 anos, residente do bairro de Humaitá, na zona sul da capital. Ele tem histórico de viagem para o Amazonas e o caso está sendo considerado como “importado”, ou seja, trazido de fora, pela SES-RJ.

PUBLICIDADE

O Amazonas vem registrando uma escalada expressiva de casos da doença. Só na primeira quinzena do ano, o estado confirmou mais da metade do número de casos registrados em todo o ano de 2023. Foram 223 casos nas duas primeiras semanas de 2024, contra 424 de janeiro a dezembro de 2023, de acordo com conteúdo da Agência Einstein reproduzido pelo Estadão. Esse cenário fez com que a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) do Estado emitisse um alerta epidemiológico.

A febre oropouche é causada pelo vírus oropouche (OROV). Trata-se de um arbovírus, ou seja, um vírus transmitido por artrópodes, especialmente por mosquitos. No caso, o principal vetor da doença é o Culicoides paraense, conhecido como maruim. Apesar disso, o Culex, uma das espécies de pernilongo, também pode transmitir a doença.

Mosquito maruim, transmissor da febre oropouche. Foto: Fiocruz rondônia

O vírus da febre oropouche tem dois ciclos de transmissão: selvagem e urbano. No selvagem, ele circula em áreas de mata entre animais como macacos e bichos-preguiça, enquanto no urbano ele infecta humanos. Segundo a infectologista Emy Gouveia, do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, em entrevista para a Agência Einstein, ao entrar em áreas de mata, muitas vezes as pessoas acabam infectadas e levam o vírus para a cidade.

Por mais que não sejam transmitidos pelo mesmo mosquito, é comum que arbovírus provoquem sintomas semelhantes, como ocorre com a dengue e a febre oropouche. Ambos os quadros costumam gerar dor atrás dos olhos, dor nas articulações, febre, dor de cabeça, erupções cutáneas, náuseas e vômitos. Na febre oropouche, esse sintomas costumam durar entre dois e sete dias.

Assim como acontece na dengue, não há tratamento para o vírus da febre oropouche. Por isso, os cuidados se concentram no alívio dos sintomas. Para isso, pode ser feito o uso de analgésicos (remédios para dor) e antitérmicos (para a febre). Mas é importante consultar um profissional de saúde, já que há medicamentos contraindicados em caso de dengue – e, na dúvida sobre o diagnóstico correto, não dá para arriscar. / COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.