Teich diz que cloroquina 'ainda é incerteza' e que não será 'divisor de águas'

Ministro da Saúde afirma que acompanha de perto os possíveis medicamentos para pacientes com coronavírus

PUBLICIDADE

Foto do author Daniel  Weterman
Por Daniel Weterman
Atualização:

Brasília, 29/04/2020 - A cloroquina, medicamento defendido pelo presidente Jair Bolsonaro como solução para o novo coronavírus, ainda é uma incerteza, afirmou o ministro da Saúde, Nelson Teich, em audiência pública no Senado. 

"A cloroquina ainda é uma incerteza", afirmou Teich, citando estudos que em um determinado momento apontaram para a eficácia do medicamento contra a covid-19 e, mais tarde, outros que mostraram o contrário. 

Médico segura comprimidos que contêm cloroquina e outra cartela que possui hidroxicloroquina Foto: Gerard Julien/ AFP

PUBLICIDADE

O ministro citou conversa com o presidente de uma fabricante do medicamento na China. "Certamente, o remédio não vai ser um divisor de águas", declarou. O ministério, pontuou, acompanha estudos relacionados a medicamentos que possam ser usados. 

Uma vacina contra a covid-19, declarou, vai demorar pelo menos "um ano, um ano e pouco" para ser liberada. "Estamos acompanhando de perto, tentando chegar até antes das publicações saírem, sobre não só esse mas novos tipos de medicamentos que hoje começam a surgir como opções e que podem trazer benefício verdadeiro."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.