PUBLICIDADE

‘O maior já registrado’: o que é o branqueamento de corais, que deve afetar área recorde

As altas temperaturas dos oceanos têm alterado o ecossistema de recifes, que são considerados berços da vida marinha. Problema chega ao Pacífico, Índico e Atlântico

Por Catrin Einhorn (The New York Times)
Atualização:

Os recifes de coral do mundo estão passando por um evento de branqueamento global causado por temperaturas oceânicas extraordinárias, anunciaram na segunda-feira a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (Noaa) e parceiros internacionais.

Esse é o quarto evento global registrado e espera-se que afete mais recifes do que qualquer outro. O branqueamento ocorre quando os corais ficam tão estressados que perdem as algas simbióticas de que precisam para sobreviver.

  • Os corais branqueados podem se recuperar, mas se a água ao redor deles estiver muito quente por muito tempo, eles morrem.
  • Os recifes de coral são ecossistemas vitais: berços calcários de vida marinha que alimentam cerca de um quarto das espécies oceânicas em algum momento de seus ciclos de vida, sustentam peixes que fornecem proteínas para milhões de pessoas e protegem as costas de tempestades.
  • O valor econômico dos recifes de coral do mundo foi estimado em US$ 2,7 trilhões por ano.

PUBLICIDADE

No último ano, as temperaturas do oceano estão fora dos padrões.

“Isso é assustador, porque os recifes de coral são muito importantes”, disse Derek Manzello, coordenador do programa Coral Reef Watch da NOAA, que monitora e prevê eventos de branqueamento.

A notícia é o exemplo mais recente de que as previsões alarmantes dos cientistas do clima estão se concretizando à medida que o planeta se aquece. Apesar de décadas de avisos de cientistas e promessas de líderes, as nações estão queimando mais combustíveis fósseis do que nunca e as emissões de gases de efeito estufa continuam a aumentar.

Os corais branqueados podem se recuperar, mas se a água ao redor deles estiver muito quente por muito tempo, eles morrem Foto: Áthila Bertoncini/Rede Abrolhos - 28/7/2016

A morte substancial de corais foi confirmada em torno da Flórida e do Caribe, principalmente entre as espécies staghorn e elk horn, mas os cientistas dizem que é muito cedo para estimar a extensão da mortalidade global.

Publicidade

  • Para determinar um evento de branqueamento global, a NOAA e o grupo de parceiros globais, a Iniciativa Internacional de Recifes de Coral, usam uma combinação de temperaturas da superfície do mar e evidências dos recifes.
  • De acordo com seus critérios, todas as três bacias oceânicas que abrigam recifes de coral - Pacífico, Índico e Atlântico - devem sofrer branqueamento dentro de 365 dias, e pelo menos 12% dos recifes em cada bacia devem estar sujeitos a temperaturas que causem o branqueamento.

Atualmente, mais de 54% da área de corais do mundo sofreu estresse térmico de nível de branqueamento no ano passado, e esse número está aumentando cerca de 1% por semana, disse Manzello.

Ele acrescentou que, dentro de uma ou duas semanas, “esse evento provavelmente será o evento de branqueamento global mais extenso espacialmente já registrado”.

Cada um dos três eventos anteriores de branqueamento global foi pior do que o último. Durante o primeiro, em 1998, 20% das áreas de recife do mundo sofreram estresse térmico de nível de branqueamento. Em 2010, foram 35%. O terceiro ocorreu de 2014 a 2017 e afetou 56% dos recifes.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Espera-se que o evento atual tenha vida mais curta, disse Manzello, porque o El Niño, um padrão climático natural associado a oceanos mais quentes, está enfraquecendo e os meteorologistas preveem que um período mais frio, o La Niña, se estabeleça até o final do ano.

O branqueamento foi confirmado em 54 países, territórios e economias locais, tão distantes quanto a Flórida, a Arábia Saudita e Fiji. A Grande Barreira de Corais, na Austrália, está sofrendo o que parece ser seu evento de branqueamento mais grave; cerca de um terço dos recifes pesquisados por via aérea mostrou uma prevalência de branqueamento muito alta ou extrema, e pelo menos três quartos mostraram algum branqueamento.

“Às vezes fico deprimido, porque a sensação é do tipo: ‘Meu Deus, isso está acontecendo’”, disse Ove Hoegh-Guldberg, professor de estudos marinhos da Universidade de Queensland, que publicou as primeiras previsões sobre como o aquecimento global seria catastrófico para os recifes de coral.

Publicidade

“Agora estamos no ponto em que estamos no filme de desastre”, disse ele.

A confirmação mais recente do branqueamento generalizado, que motivou o anúncio de segunda-feira, veio do oeste do Oceano Índico, incluindo Tanzânia, Quênia, Ilhas Maurício, Seychelles e a costa oeste da Indonésia.

Swaleh Aboud, cientista de recifes de coral da CORDIO East Africa, um grupo sem fins lucrativos de pesquisa e conservação sediado no Quênia e focado no Oceano Índico, disse que as espécies de coral que são conhecidas por serem termicamente resistentes estão branqueando, assim como os recifes em uma área mais fria considerada um refúgio climático.

Recentemente, ele visitou uma comunidade de pescadores no Quênia chamada Kuruwitu, que trabalhou para reviver seu recife. Muitas das colônias de corais restauradas haviam se tornado fantasmagoricamente brancas. Outras estavam pálidas, aparentemente a caminho.

“É necessária uma ação global urgente para reduzir futuros eventos de branqueamento, impulsionados principalmente pelas emissões de carbono”, disse Aboud.

Os cientistas ainda estão aprendendo sobre a capacidade dos corais de se adaptarem às mudanças climáticas. Estão sendo feitos esforços para criar corais que tolerem temperaturas mais altas.

Em alguns lugares, inclusive na Austrália e no Japão, os corais parecem estar migrando para os polos, começando a ocupar novos lugares. Mas os cientistas afirmam que vários fatores, como a quantidade de luz que penetra na água e a topografia do fundo do mar, tornam essa migração limitada ou improvável em grande parte do mundo.

Publicidade

Além disso, há o problema da acidificação dos oceanos; à medida que a água do mar absorve o dióxido de carbono da atmosfera, ela se torna mais ácida, dificultando a construção e a manutenção dos recifes pelos corais.

Hoegh-Guldberg, que estuda o impacto da mudança climática nos recifes de coral há mais de três décadas, foi um dos autores de um relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas que constatou que o mundo perderia a grande maioria de seus recifes de coral a 1,5 grau Celsius de aquecimento e praticamente todos a 2 graus.

As promessas atuais das nações colocam a Terra no caminho certo para atingir cerca de 2,5 graus até 2100. Ainda assim, ele não perdeu a esperança.

“Acho que resolveremos o problema se nos levantarmos e lutarmos para resolvê-lo”, disse Hoegh-Guldberg. “Se continuarmos a falar da boca para fora, mas não avançarmos com as soluções, estaremos nos enganando.” /Este artigo foi originalmente publicado no The New York Times

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.