COP-27: Com vácuo no governo federal, Estados vão atrás de parcerias e verbas estrangeiras

Governadores da região da Amazônia montaram até um pavilhão oficial na conferência realizada no Egito

Por Emilio Sant'Anna

Enquanto o governo federal enfrenta um vácuo por causa da troca de gestão, os Estados aproveitaram a Cúpula do Clima (COP-27) em Sharm el-Sheik, no Egito, para ir atrás de verbas e parcerias estrangeiras. Neste ano, pela primeira vez, os governadores da região da Amazônia montaram até um pavilhão oficial na conferência - bem mais buscado do que o estande oficial, da gestão Jair Bolsonaro (PL).

PUBLICIDADE

O pavilhão deles foi um dos mais concorridos. Por lá, passaram não só governadores e representantes de outros países, como o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro dia de participações no evento.

O Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal é formado pelos nove Estados que abrigam o bioma: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Na COP anterior, em Glasgow, embora não tivessem uma ala só para eles, esses gestores também resolveram participar do evento global.

Presidente eleito participou de evento com governadores na COP realizada no Egito Foto: Ahmed Hatem

Amapá busca apoio para parque

O governo do Amapá foi à África em busca de estabelecer parcerias e possíveis financiamentos para um parque, o Amaparque, projeto socioambiental e urbano na região metropolitana dos municípios de Macapá e Santana. No escopo, estão a requalificação ecológica de áreas degradadas, melhorar a mobilidade urbana e diminuição da insalubridade nas áreas úmidas e em seu entorno.

O objetivo é criar um complexo ecológico e turístico, que prevê a implementação de parques lineares em seis trechos da região metropolitana, tratamento de esgoto por fitorremediação, um Ecomuseu, além de um centro de vivência com acesso na área da Lagoa dos Índios, envolvendo um total de 17,43 km². O custo do projeto é de R$ 21 milhões.

O governo do Amapá foi à África em busca de estabelecer parcerias e possíveis financiamentos para um parque, o Amaparque Foto: Governo do Amapá

Segundo o secretário de Planejamento do Amapá, Eduardo Tavares, com o projeto a área poderá ser considerada um Sítio Ramsar (chancela internacional para áreas úmidas que preservam grande valor ambiental).

“A chancela é reconhecida pela Unesco (braço da ONU para educação e cultura) e denomina as zonas úmidas que tem prioridade no acesso à cooperação técnica internacional e apoio financeiro para promover projetos com intuito de proteção e utilização sustentável dos recursos naturais, favorecendo a implantação de um modelo de desenvolvimento que proporcione qualidade de vida aos moradores da região”, afirma ele.

Publicidade

De acordo com o governador Antônio Waldez Góes (PDT), esse é “o maior projeto de biodiversidade e preservação de áreas úmidas urbanas da Amazônia”.

Mercado de crédito de carbono

Em outra frente, nesta semana Amapá, Pará, Mato Grosso e Amazonas assinaram acordo com a Coalizão Leaf para acessar o mercado de crédito de carbono.

A Coalizão Leaf é uma iniciativa global voluntária que reúne empresas e governos para fornecer financiamento para a conservação de florestas tropicais e subtropicais – incluindo negociações para compra e venda de créditos de carbono. Foi criada em 2021, na COP-26, para captar dinheiro de grandes empresas com capital de US 1,5 bilhão para comprar créditos em locais que se adaptem às boas práticas.

Se falta dinheiro e disposição dos países desenvolvidos em estabelecer um fundo de financiamento para as nações em desenvolvimento - um dos pontos que travaram as negociações da COP no Egito -, o sucesso das negociações entre os entes subnacionais (Estados, províncias e cidades) pode ser medido não apenas por isso. Alguns dos objetivos são a transferência de informações e conhecimento para que, por exemplo, possam desenvolver seus próprios planos contra as mudanças climáticas.

PUBLICIDADE

Outro exemplo é o Consórcio Brasil Verde, lançado na COP de Glasgow, e que reúne todos os Estados do País. Presidido pelo governado do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), o objetivo é atrair investidores e internalizar conhecimentos. A entidade surgiu no vácuo de poder e representatividade deixada pelo governo federal durante a gestão Bolsonaro, diz Casagrande.

Para ele, a eleição de Lula e a expectativa de fortalecimento da atuação da União na área ambiental não irão diminuir a relevância desse e de outros consórcios.

“O movimento dos governadores surgiu como forma de compensar a ausência do governo federal no tema, mas agora se fortalecerá no esforço conjunto porque o governo federal sozinho não tem condições de atender as NDCs (as metas de redução de emissões de gases de efeito esfufa, as Contribuições Nacionais Determinadas)”, afirma.

Publicidade

“Precisamos andar juntos para fazer a fiscalização do desmatamento, da transição energética e desenvolvimento de tecnologias como o hidrogênio verde.”

Esse tipo de negociação é chamada de paradiplomacia e, de fato, tende a crescer na ausência de uma ação efetiva do governo federal, diz a advogada e especialista Carolina Bonatto Fairbanks. “Isso tomou uma importância mais considerável (no Brasil) não tinha uma postura ambiental”, afirma.

Mesmo longe das florestas, Estados participam de negociações

Nesta COP, por exemplo, longe das florestas tropicais, Estados como São Paulo também participaram de várias negociações. Na pauta, de escassez hídrica à eletrificação de frotas de transporte urbano. O Estado lançou um Plano de Ação Climática visando a mitigar a emissão de 17 milhões de toneladas de Gases do Efeito Estufa até 2030 .

O programa é resultado da parceria firmada por 12 Estados com o Pomuc (implementado pela agência alemã de cooperação internacional GIZ com o apoio do Ministério Alemão de Economia e Clima – BMWK –, no âmbito da Iniciativa Climática Internacional- IKI). A cooperação viabilizou uma série de estudos sobre as trajetórias de carbono para estabelecer metas do Plano de Ação Climática (PAC 2050). O plano entrou em consulta pública esta semana.

Segundo Carolina Bonatto Fairbanks, os acordos e projetos que nascem desses processos paradiplomáticos podem e devem ser cobrados pela população da mesma forma que compromissos assumidos pelo governo federal. “Toda questão ambiental depende da boa vontade e é mais fácil fazer esforços nos entes subnacionais. É um esforço coletivo”, destaca.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.