Em crítica ao Inpe, Bolsonaro diz que não pode haver 'órgãos aparelhados'

Em Manaus, presidente afirmou que convidou Angela Merkel e Emmanuel Macron para um sobrevoo na Amazônia

Por Sídia Ambrósio
Atualização:

MANAUS - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a criticar, nesta quinta-feira, 25, os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que mostram o aumento do desmatamento da Amazônia. Em visita a Manaus, o presidente disse que, para ele, as informações do órgão não correspondem à realidade e que o governo "não pode ter órgãos aparelhados com pessoas que têm fidelidade às ONGs (organizações não governamentais) internacionais". 

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) participou de solenidade de entrega de medalhas da Olimpíada Internacional de Matemática Sem Fronteiras 2019 em uma escola da Polícia Militar, em Manaus Foto: Isac Nóbrega/PR

PUBLICIDADE

"Então, esses dados servem para quê? Para alguém lá na ponta da linha ficar feliz e nos prejudicar nas relações que temos com o mundo. Estamos avançando no Mercosul, com o Estados Unidos, com o Japão, com a Coreia do Sul", afirmou Bolsonaro. "Isso nos atrapalha."

Bolsonaro disse que cabe aos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, decidir se vão checar os dados do Inpe. "Estão na mão do Ricardo Salles e do astronauta Marcos Pontes. Não temos medo da verdade", disse durante solenidade em uma escola da Polícia Militar. "Agora, dados jogados para cima, para fazer onda, fazer 'oba-oba', aí não procede. Não podemos transmitir isso."

A divulgação de que o desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 88% em comparação com o ano passado causou uma série de ataques entre o presidente e o diretor do Inpe, Ricardo Galvão, que disse, em entrevista ao Estado, que as acusações do governo são "conversa de botequim".

Desafio de sobrevoo na Amazônia

Ainda sobre o desmatamento na Amazônia, Bolsonaro voltou a dizer que, quando esteve em viagens internacionais, convidou a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Emmanuel Macron, para sobrevoarem a floresta, de Boa Vista a Manaus.

"Se encontrar um quilômetro de floresta devastada, eu dou razão a eles. Agora, eu os convidei a me convidar também, a fazer a mesma coisa na Europa. Se achar um quilômetro de floresta, a mesma coisa", declarou. "Eu te perguntaria quantos palmos de mata ciliar são preservados na Europa? Dois palmos talvez? E aqui? O Brasil é o país que mais preserva. Tem país da Europa que não tem 1% das suas florestas preservadas. Nós queremos preservar o meio ambiente, mas não vamos entrar na psicose ambiental."

Publicidade

Conforme publicou o Estado no sábado, 20, a equipe do Mapbiomas – rede que envolve universidades, empresas de tecnologia e ONGs na análise de imagens de satélite e na produção de mapas sobre a cobertura e o uso da terra do Brasil – aceitou o desafio e fez um voo virtual sobre o trajeto.

O cruzamento de vários dados, como os do sistema Deter, do  Inpe, do Censipam – monitoramento feito pelo Ministério da Defesa, mostrou que entre janeiro e junho deste ano houve um desmatamento de 213 km² na região. A análise foi feita por pesquisadores liderados pelo engenheiro florestal Tasso Azevedo.

"Um sobrevoo de Boa Vista a Manaus com o Google Earth mostra todos os desmatamentos que ocorreram no governo Bolsonaro. E foi bem mais do que apenas 1 km²", disse Azevedo, que passou o levantamento ao Estado

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.