Lula diz que vai combater garimpo ilegal após decretar emergência em reserva Yanomami

Governo oficializou medida em território indígena na Amazônia diante da alta de casos de malária e desnutrição; uma das providências será facilitar deslocamento de médicos para o local

Foto do author Marlla Sabino
Foto do author Antonio Temóteo
Por Marlla Sabino , Antonio Temóteo e Cyneida Correa
Atualização:

BOA VISTA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeu neste sábado, 21, que o governo federal vai trabalhar para “dar dignidade” aos indígenas e acabar com o garimpo ilegal, mas não detalhou os planos para combater a mineração irregular. Ele e ministros viajaram para Boa Vista por causa da crise sanitária das populações em território Yanomami. O governo decretou na sexta, 20, emergência em saúde pública de importância nacional, diante dos registros de desnutrição e aumento da malária.

“Saio daqui com compromisso com nossos queridos, irmãos, que nós vamos dar a eles a dignidade que eles merecem, na saúde, na educação, na alimentação e nos direitos de ir e vir para fazer as coisas que necessitam na cidade”, disse o presidente. O ministro da Justiça, Flávio Dino, disse que a Polícia Federal vai apurar indícios de crime de genocídio diante do cenário.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante visita a hospital indígena em Roraima Foto: Ricardo Stuckert/Palácio do Planalto

PUBLICIDADE

Lula afirmou ainda que levará muito a sério o fim do garimpo ilegal. “Mesmo que seja uma terra que tem autorização para fazer pesquisa, ele pode fazer sem destruir a água, a floresta e sem colocar em risco a vida das pessoas que dependem da água para sobreviver”, afirmou. “O que posso dizer é que não vai existir mais garimpo ilegal, e sei da dificuldade de tirar o garimpo ilegal, sei que já se tentou outras vezes e eles voltam, mas nós vamos tirar.” Segundo estimativas do governo estadual, há cerca de 20 mil garimpeiros em áreas indígenas de Roraima.

Durante a declaração, Lula também fez referências e críticas à gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. “É desumano o que vi aqui. Sinceramente, o presidente que deixou a Presidência esses dias, se ao invés de fazer tanta motociata, tivesse vergonha e viesse aqui uma vez, quem sabe esse povo não estaria abandonado como está”, acrescentou.

”Queremos ajuda”, afirmou Flavio Yanomami, da comunidade de Barcelos, ao relatar a alta de casos de desnutrição e doença.”

O ex-presidente Jair Bolsonaro foi criticado durante seu mandato por enfraquecer os órgãos de apoio aos indígenas e por defender a liberação do garimpo ilegal em territórios cuidados pelos povos originários.

Apesar de ter sido aliado próximo de Bolsonaro, o governador roraimense Antonio Denarium (PP) acompanhou Lula na agenda e disse que estará alinhado a projetos que mirem o desenvolvimento do Estado e a “melhoria de vida da nossa gente, sejam indígenas ou não”.

Publicidade

Lula afirmou que as primeiras medidas devem ser no setor de transportes na região, por causa da precariedade do serviço. O objetivo, segundo ele, é garantir transporte para pessoas que estão aguardando há seis meses e ficaram abandonadas. Ele também citou ser necessário aumentar a pista de pouso para possibilitar a utilização de uma aeronave maior, que tenha capacidade de transportar um número maior de passageiros e de alimentos.

O presidente ainda afirmou que equipes de saúde serão enviadas para a localidade. “Uma das formas da gente resolver isso é a gente montar um plantão da saúde nas aldeias, para que possa cuidar deles lá. Fica mais fácil transportar dez médicos do que transportar 200 índios. É apenas uma questão de mudança de comportamento.” Também haverá a distribuição de 5 mil cestas básicas e o envio de 200 latas de suplemento alimentar para as crianças.

A viagem a Roraima acontece às vésperas da ida do petista para a Argentina. Ele foi acompanhado pela ministra da Saúde, Nísia Trindade, e pela ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara. O presidente afirmou que pretende participar, em março, da assembleia na Raposa Serra do Sol.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.