Queimadas atingiram 20% do território nacional nas últimas três décadas

Os dados fazem parte de um estudo inédito realizado pelo Mapbiomas, um projeto integrado realizado por universidades, organizações ambientais e empresas de tecnologia

Foto do author André Borges
Por André Borges
Atualização:

BRASÍLIA – Todo ano, uma área maior que a Inglaterra pega fogo no Brasil. Nos últimos 36 anos, 150,9 mil quilômetros quadrados, em média, foram tragados pelo fogo. Se somada a área queimada desde 1985, o acumulado do período chega a praticamente um quinto do território nacional. Foram 1.672.142 km² de vegetação queimada, o equivalente a 19,6% do Brasil.

Os dados fazem parte de um estudo inédito realizado pelo Mapbiomas, um projeto integrado realizado por universidades, organizações ambientais e empresas de tecnologia. Durante um ano e meio, os pesquisadores se debruçaram no processamento de mais de 150 mil imagens geradas por uma série de satélites, analisando dados dos anos 1985 a 2020. 

 

Pantanal registrou 21 mil focos de incêndio em 2020, maior índice já registrado. Foto: Araquém Alcântara

PUBLICIDADE

Com recursos de inteligência artificial, foram sobrepostas imagens detalhas com registros de queimadas ocorridas nos 8,5 milhões de quilômetros quadrados do território brasileiro, em todos os tipos de uso e cobertura da terra. Ao todo, foram 108 terabytes de imagens processadas, revelando áreas, anos e meses de maior e menor incidência do fogo. O resultado desse trabalho permite agora identificar a área queimada em cada mês, durante todo o período avaliado, além do tipo de uso e cobertura do solo que queimou. 

O levantamento revela que quase dois terços (65%) do fogo ocorreram em áreas de vegetação nativa, sendo que os biomas Cerrado e Amazônia concentram 85% de toda a área queimada pelo menos uma vez no país. No caso do Cerrado, a área queimada por ano, desde 1985, equivale a 45 vezes a área do município de São Paulo.

Outro dado preocupante aponta que cerca de 61% das áreas afetadas pelo fogo entre 1985 e 2020 foram queimadas duas vezes ou mais, ou seja, não se trata de eventos isolados. No caso da Amazônia, 69% do bioma queimou mais de uma vez no período, sendo que 48% queimou mais de três vezes.

A análise mostra que o Pantanal foi o bioma que mais queimou nos últimos 36 anos: 57% de seu território foi queimado pelo menos uma vez no período, o que remete a uma área de 86.403 km² atingidos pelo fogo. No Cerrado, a área atingida chegou a 36% (733.851 km²), enquanto na Amazônia o fogo foi identificado em 16,4% do bioma (690.028 km²). 

“A informação de que 20% da área do Brasil já foi queimada não é pouca coisa. A Amazônia, por exemplo, que é metade deste País, teoricamente, não deveria queimar. É uma floresta úmida, o fogo não faz parte de seu regime natural, mas temos visto esse avanço, puxado por fatores como o avanço de áreas pastagem”, diz Ane Alencar, coordenadora do Mapbiomas Fogo. “Esse cenário mostra que o fogo tem que ser trabalhado com ações de combate como política pública. É um cenário muito preocupante e que tem se agravado nestes últimos anos.”

Publicidade

Vera Arruda, pesquisadora da equipe do MapBiomas Fogo responsável pelo mapeamento do Cerrado, afirma que a região é dona de uma vegetação nativa onde o fogo faz parte de seu regime, mas não na dimensão que tem ocorrido. “A extensão e frequência da área queimada no Cerrado nas últimas quase quatro décadas revela que algo está errado com o regime de fogo no bioma”, comenta.

Os Estados com maior ocorrência de fogo no período analisado foram Mato Grosso, Pará e Tocantins. Embora os grandes picos de área queimada no Brasil tenham ocorrido principalmente em anos impactados por eventos de seca extrema (1987, 1988, 1993, 1998, 1999, 2007, 2010 e 2017), altas taxas de desmatamento – principalmente aquelas ocorridas na Amazônia depois de 2019 – tiveram alto impacto no aumento da área queimada. A estação seca, entre julho e outubro, concentra 83% da ocorrência de queimadas e incêndios florestais.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.