O 'mapa do maroto' de Harry Potter no Reino Unido

Cenários de gravações e pontos que influenciaram J.K. Rowling na criação da saga do bruxo: confira nosso roteiro temático em Londres e Edimburgo

PUBLICIDADE

Por Flavia Alemi
6 min de leitura
Estação King's Cross, em Londres, ganhou uma plataforma 9 3/4 para fãs de Harry Potter Foto: Eddie Keogh/Reuters

Quando tinha nove anos, descobri a história de um menino que havia sobrevivido a um ataque do maior bruxo das trevas da história, ocorrido a milhares de quilômetros da minha morada brasileira. Ao sobrevivente em questão foi revelado no seu aniversário de 11 anos que, assim como seu algoz, ele também possuía poderes mágicos, os quais deveria aprender a controlar e aprimorar ao longo de sete anos numa escola especializada em bruxaria escondida em algum lugar do Reino Unido

Minha vasta imaginação infantil construiu cenários e personagens por três livros, até que a história de Harry Potter chegou aos cinemas em 2001, fazendo brotar em mim uma curiosidade incessante pelo modo de vida britânico e o idioma inglês. Foram necessários quase 20 anos para que eu realizasse o sonho de ver os locais que inspiraram J.K. Rowling, mas o timing não poderia ser melhor: de Edimburgo a Londres, a magia está em toda parte.

A começar por Edimburgo, que não costuma ser muito associada a um roteiro inspirado no bruxo, mas é parada obrigatória para todo pottermaníaco que se preze. Dos monumentos em New Town às construções que remetem à Idade Antiga, a cidade exala história e dá sentido ao universo mágico criado pela autora. 

Velhos conhecidos

Perambulando pelas ruas de paralelepípedos e sempre tendo o Castelo de Edimburgo como ponto de referência, em algum momento você irá passar pela escola George Heriot’s, famosa pelos uniformes tradicionais de seus estudantes e por dividi-los em quatro casas diferentes (soa familiar?). Logo ao lado, está o cemitério Greyfriars Kirkyard, cujas lápides mostram alguns nomes conhecidos: McGonagall, Scrymgeour, Moodie e uma certa família Riddell. 

Vista do Castelo de Edimburgo em Old Town Foto: Flavia Alemi/Estadão

Continua após a publicidade

A cinco minutos do cemitério, o verdadeiro Beco Diagonal ganha vida na Victoria Street, onde lojas e restaurantes de fachadas coloridas agradam os olhos de quem passa. A via é uma das mais fotografadas de Edimburgo e possui ao menos dois estabelecimentos dedicados exclusivamente a bugigangas potterianas. Ela desemboca no viaduto George IV, que tem, à esquerda, a antiga sede do Banco da Escócia, inspiração para Gringotes, e, à direita, um dos cafés mais famosos da cidade, o The Elephant House, que se autoproclama o “local de nascimento” de Harry Potter.

Apesar de ter servido de inspiração para J.K. Rowling, Edimburgo nunca apareceu nas adaptações da saga para o cinema, ao contrário de Londres, que faz pontas desde o primeiro longa. A icônica cena na qual o primo mimado de Harry, Duda Dursley, cai dentro do tanque de uma píton (no livro, jiboia) foi filmada no Zoológico de Londres, o mais antigo zoo científico do mundo. Já o Caldeirão Furado, que esconde em seu interior a entrada para o Beco Diagonal, é a fachada de uma loja no Leadenhall Market.

Embarque para Hogwarts

A estação de metrô King’s Cross, onde os jovens bruxos tomam o Expresso de Hogwarts, virou outro ponto de peregrinação potteriana, principalmente a partir de 2012, quando foi aberta a primeira loja especializada na saga fora de uma atração temática. Do lado de fora, adultos, jovens e crianças formam fila para tirar fotos em frente a um carrinho de bagagens que parece estar entrando na parede de tijolos para chegar à Plataforma 9 ¾.

Salão Principal de Hogwarts nos estúdios de Leavesden Foto: Flavia Alemi/Estadão

Mas a principal atração de Harry Potter em Londres está, na verdade, fora da cidade, em Leavesden, zona residencial do condado de Hertfordshire. Não se preocupe, pois dá para fazer a maior parte do trajeto de metrô. Trata-se dos estúdios da Warner Bros., onde foi filmada a maioria das cenas. Lá, a imersão é quase total, com cenários completos, figurinos, perucas e outros objetos mágicos. É impossível segurar a nostalgia que chega pelos dutos lacrimais (ao menos para mim) quando as portas do Grande Salão são abertas. 

Delicie-se a seguir com nosso “mapa do maroto” repleto de detalhes mágicos dessas duas cidades. Malfeito feito!

Continua após a publicidade

ANTES DE IR

Como viajar

Para ir de trem de Londres a Edimburgo (cerca de 4h30), as tarifas começam em 73 libras (R$ 349) na  National Rail. Para quem vai estender a viagem para outras cidades do Reino Unido vale a pena o BritRail Pass, que permite viagens ilimitadas dentro de um determinado período. Os preços começam em US$ 120. Também é possível voar entre as capitais.

ONDE FICAMOS

Kimpton Fitzroy London

O recém-inaugurado Kimpton londrino, em um prédio do século 19 Foto: Kimpton Hotels

Inaugurado em outubro do ano passado, fica no bairro de Bloomsbury. O edifício, do século 19, tem fachada preservada com estética vitoriana. Do lado de dentro, porém, o hotel é moderno e elegante, sem opulência. O café da manhã com itens tradicionais do English Breakfast, como tomates e cogumelos, é boa pedida. A partir de £ 299 (R$ 1.444).

Continua após a publicidade

The Bentley London

Luxo é a marca do The Bentley Foto: The Bentley

Membro da coleção L.V.X. da Preferred Hotels & Resorts, grupo de hotéis independentes de luxo, fica em South Kensington e é perfeito para quem não abre mão dos mimos que só um local cinco estrelas oferece. A partir de £ 239 (R$ 1.154).

Kimpton Charlotte Square

Suíte do hotel Kimpton, em Edimburgo Foto: Kimpton Hotels

Recém-inaugurado em Edimburgo, preza pelo conforto e aconchego nos quartos e áreas comuns. O café da manhã é servido no solário (The Garden), com móveis de jardim e horta. Moderno, seu interior contrasta com a quadra georgiana onde está. Desde £ 230 (R$ 1.102).The Balmoral (Edimburgo)

Suíte em que J.K. Rowling se hospedou no The Balmoral Foto: The Balmoral

Continua após a publicidade

É uma atração turística por si. Localizado ao lado da estação de trem Edinburgh Waverley, é famoso por seu relógio da fachada, insistentemente adiantado em três minutos. J.K. Rowling terminou de escrever o último livro de Harry Potter em um dos quartos. Para celebrar, deixou uma mensagem num busto da suíte. Desde £ 450 (R$ 2.173).