PUBLICIDADE

Mulheres de calça chocaram no início no século 20

Adeptas das ' jupes-culottes', ou saias-calção, chegaram a ser perseguidas nas ruas

Por Liz Batista
Atualização:

A decisão do colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, de liberar o uso de saias para alunos divide opiniões. No início do século 20, o uso de uma peça de roupa originalmente masculina por mulheres também dividiu opiniões e foi responsável por uma revolução na moda e nos costumes. As "jupes-culottes", peça precursora das calças femininas, faziam sua estreia nas ruas e despertavam diferentes reações ao redor do mundo. A novidade nasceu sob controvérsia. Críticos diziam que a roupa se ajustava muito ao corpo, marcando as formas femininas. O que seria um atentado ao decoro que uma dama deveria manter ao transitarem pela rua, alegavam. 

Mantendo suas leitoras atualizadas sobre a moda internacional, O Estado estampou na página central da edição de 12 de março de 1911 modelos de “jupes-culottes”. No Brasil a vestimenta ficou conhecida como saias-calção

Mulheres que se atreviam a desfilar as “jupes-culottes” pelas ruas corriam o risco de serem perseguidas e hostilizadas. 

A polêmica foi tamanha que a revista Careta publicou, em seguidas edições, notícias, fotos echarges sobre apeça que revolucionou o guarda-roupa feminino.

Revista Careta, 1911  

Veja também: # São Paulo aplaudia calça feminina em 1911 # Declarada guerra ao espartilho # Em 1911, calças e aviões também eram coisas de mulher

#Foto Galeria: 70 anos do Biquíni

Publicidade

#Pelo direito de usar monoquíni

#Assine |# Licenciamento de conteúdos Estadão |

# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram |

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.