PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|Nós e eles

convidado
Atualização:

José Datrino era assolado desde a infância por premonições de sua missão na Terra. Tinha alguns clarões de que teria família e bens, mas um dia largaria tudo para realizar essa missão. Foi levado a curandeiros que não conseguiriam tirar aquelas ideias da cabeça do menino.

PUBLICIDADE

Na metade de Dezembro de 1961, na cidade de Niterói – RJ, três mil pessoas se apertavam dentro de um famoso circo, o Gran Circus Norte-Americano que, apesar do nome, era bem brasileiro. Reza a lenda que, um homem com problemas mentais resolveu se vingar de um funcionário do circo, e ateou fogo à lona para criar um tumulto. A trapezista, com a visão de cima que seu número permitia, percebeu o início do incêndio, esperou que seu marido, também trapezista e no meio de seu ato, terminasse o seu movimento e gritou: “Fogo!”. O que se seguiu foi um Titanic de fogo, com pessoas sendo pisoteadas e o incêndio se alastrando sobre a lona no circo, coberta de parafina para ficar brilhosa, o que serviu como gasolina para aquele fogaréu. Mais de quinhentas pessoas morreram, pisoteadas e queimadas, naquela pira gigante. Em sua desolada maioria, crianças. O mundo ficou chocado com a tragédia, e até o Papa enviou donativo para ajudar os milhares de feridos e as famílias enlutadas.

José Datrino ouvia as notícias escabrosas que chegavam sobre a tragédia do Gran Circus. Relatou, muitas vezes, que “uma voz astral” avisou que ele deveria abandonar o mundo da matéria e viver, apenas, no campo do Espírito. Pegou um dos dois caminhões de sua empresa e foi para Niterói consolar as pessoas, com palavras de bondade e gentileza. Nascia José Agradecido, ou, o nome mais famoso, Profeta Gentileza, que passou os anos seguintes de sua vida como andarilho e pregador da Gentileza e da capacidade de troca humana, não pautada por dinheiro ou interesses mesquinhos. Das cinzas do Gran Circus surgia um consolador e pregador com barbas e ares de profeta bíblico. Quando era chamado de maluco, ou louco, respondia: “Sou maluco para te amar e louco para te salvar”. Eu pergunto: quem é o louco afinal? O Profeta Gentileza, ou nossa Sociedade?

Fritz Perls, terapeuta alemão e criador da Gestalt Terapia, também tinha barbas brancas longas e ares de profeta, como Gentileza. A Gestalt fazia sessões que buscavam integrar os vários atores de nossa Psique cindida. O processo ajudava a ampliar um conceito fundamental da Gestalt e que foi o título provisório desse artigo: “Fronteira de Ego”. A Fronteira de Ego é o ponto que delimita o Eu em relação ao Outro. O Nós, com relação à Eles. Quando escrevo isso, lembro de uma paciente antiga, italiana, que brigava com sua nora e esperava que seu filho ficasse do seu lado. Dizia que a sua nora não era confiável. Confiança, segundo ela, só em parentesco de sangue. Batia no seu braço, onde tiramos o sangue nos exames, para enfatizar: “Sangue, dottore, sangue!”.

Esse é um bom exemplo de Fronteira de Ego estreita. Só vivo, confio e me relaciono com quem está do muro para cá, e o muro se delimita com os laços de sangue. Quanto mais estreita a fronteira do Ego, mais mesquinha e neurótica é a pessoa. Fritz e Gentileza dedicaram sua vida a expandir as fronteiras relacionais e a capacidade de inclusão do Outro dentro de nossos muros de Berlim pessoais que nos apequenam e amedrontam. Somos todos parte da mesma aldeia, que é o mundo.

Publicidade

Vivemos no momento de nossa história em que esse texto será publicado, se aprovado, em grandes veículos de Imprensa, quase em Tempo Real. As fronteiras para a informação e interação vem se apagando nesse novo século. Estamos todos no mesmo barco digital. Isso gera uma reação em contrário com igual ou maior intensidade, tentando preservar privilégios e intensificar as fronteiras da separação. Isso se manifesta no “Nós contra Eles”- A instrumentalização do ódio e da divisão, os gritos do polarizações e tambores de guerra, reais e virtuais. A instrumentalização do insulto e da ameaça, que é só abrir alguma página do X, antigo Tweeter, para observar. O diálogo foi substituído pelo quem grita mais alto ou quem faz a melhor Lacração, calando a boca ou cancelando quem discorda de “Nós”.

Vejo os drones do Irã atacando Israel e o ditador da Coréia do Norte bradando que “está na hora de se preparar para a Guerra” para imaginar que os limites das fronteiras de Ego vão apartando pessoas e Estados, na exata medida da promoção da Ira e da anulação de qualquer possibilidade de integração com esse Outro, que passa a ser meu Inimigo.

A imagem de Gentileza oferendo flores nos semáforos, ou de Fritz, integrando os pacientes com suas feridas e reconciliando as pessoas com quem um dia lhes provocou o mal, parecem de dois malucos, com suas vozes sufocadas pelos mísseis e pelos drones da grande Discórdia.

Quem está maluco, afinal?

Convidado deste artigo

Foto do autor Marco Antonio Spinelli
Marco Antonio Spinelli saiba mais

Marco Antonio Spinelli
Médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de orientação junguiana e autor do livro “Stress - o coelho de Alice tem sempre muita pressa"
Conteúdo

As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única do autor.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.