PUBLICIDADE

Agencias britânicas proíbem modelos de fazer bronzeamento artificial

Medida, que coincide com a London Fashion Week, tem por objetivo elevar a conscientização sobre perigos do câncer de pele.

Por BBC Brasil
Atualização:

Agências de modelos britânicas deram início a uma política de "bronzeamento artificial zero", proibindo o uso de camas de bronzeamento entre suas funcionárias. A iniciativa faz parte de uma campanha da organização britânica de pesquisa e combate ao câncer Cancer Research UK, que pretende elevar a conscientização sobre o câncer de pele. Nesta sexta-feira, quando os primeiros desfiles abrem a London Fashion Week, a medida está sendo adotada por agências como Next, Storm, Elite, Premier Model Management, Oxygen e Union, entre outras. "Apoiar essa campanha faz todo sentido, porque o bem-estar das nossas modelos é de fundamental importância, e levamos a saúde muito a sério", disse a diretora-gerente da agência Storm, Sarah Doukas. "Recomendamos que elas escolham opções mais saudáveis se quiserem se bronzear - sprays de bronzeamento, por exemplo, são fáceis de aplicar e duram uma semana." Indivíduos com menos de 35 anos de idade que usam camas de bronzeamento artificial têm 75% mais chances de desenvolver melanoma - um tipo grave de câncer de pele. Nos últimos 30 anos, os casos de melanoma quadruplicaram na Grã-Bretanha, tornando-se o segundo tipo mais comum de câncer entre as pessoas entre 15 e 34 anos de idade. No ano passado, a Inglaterra e o País de Gales proibiram o uso de camas de bronzeamento por menores de 18 anos. "Camas de bronzeamento artificial podem deixar a pele enrugada, grosseira e parecida com um couro", disse o porta-doz da Cancer Research UK, Chris Lunn. "Se quiser ficar bronzeado, é mais seguro fingir." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.