PUBLICIDADE

Área atingida por ciclone no RS retoma passeio de trem em um dos viadutos mais altos do continente

Viagem, com vagões originais das décadas 1920 e 1930, é repleta de paisagens deslumbrantes, pontes icônicas e túneis

Por Luciano Nagel

Um dos principais atrativos turísticos do Rio Grande do Sul retomou o seu funcionamento. O passeio Trem dos Vales, que parte do município de Muçum e segue até Parobé, tem viagens até o dia 17 de dezembro, sempre aos finais de semana e feriados. A atração havia sido suspensa no mês passado após a passagem de um ciclone extratropical, que deixou um rastro de destruição, com 50 mortes. Parte do valor arrecadado na venda de 2 mil bilhetes foi revertida para os municípios gaúchos atingidos pelas chuvas.

PUBLICIDADE

Em meio às belezas do Vale do Taquari, é inevitável também constatar algumas marcas deixadas pelas enchentes de setembro em um trajeto de 46 quilômetros. Muçum foi a cidade mais atingida pelo ciclone, com 16 mortes.

Pelos trilhos, o passeio é uma jornada repleta de paisagens deslumbrantes, pontes icônicas e túneis. A viagem também ocorre no sentido contrário, partindo da cidade de Parobé a Muçum, distante 160 quilômetros da capital Porto Alegre.

O famoso viaduto V13 tem 143 metros de altura e 509 metros de extensão Foto: Luciano Nagel/Especial para o Estadão

A viagem, com vagões originais das décadas 1920 e 1930, dura em média 2h30min e passa pelas cidades de Muçum, Vespasiano Corrêa, Dois Lajeados e Guaporé. Estes municípios integram a tradicional Ferrovia do Trigo, importante rota de transporte para o escoamento da produção na região Sul do País.

Em 46 quilômetros, o trem passa por 23 túneis e 15 viadutos, entre eles, o famoso V13 (Viaduto do Exército Brasileiro), considerado o mais alto da América Latina e um dos maiores do mundo, com 143 metros de altura e 509 metros de extensão.

A locomotiva também atravessa lentamente os viadutos Pesseguinho (87,8 m de altura e 268 m de extensão) e Mula Preta (98 m de altura e 360 m de comprimento). Estes dois viadutos passam aos passageiros a estranha sensação de estar “flutuando” sobre os trilhos por serem “vazados”. Tudo isso em meio a uma paisagem de tirar o fôlego, com montanhas imponentes se estendendo até onde os olhos podem alcançar.

“O Mula Preta, com quase 100 metros de altura, é todo em curva, sem proteção lateral e sem piso de concreto. Este é um típico viaduto vazado. Sua estrutura de metal sustenta os dormentes e trilhos, distantes um do outro, e gera uma sensação de flutuar sobre o verde, em meio a exuberante natureza, característica da nossa região”, explica o coordenador do Trem dos Vales, Rafael Fontana.

Publicidade

Locomotiva utilizada no passeio Trem dos Vales tem vagões originais das décadas 1920 e 1930. Foto: Luciano Nagel/Especial para o Estadão

Já o túnel que merece destaque, por seu comprimento, fica localizado em Dois Lajeados, com 2,3 km de extensão e leva cerca de 5 minutos durante toda a travessia em plena escuridão.

O passeio Trem dos Vales está em sua quinta edição e ocorre duas vezes ao dia: Guaporé-Muçum, com saída às 9h, e Muçum-Guaporé, com partida às 14h30, e contempla somente a ida de trem. O retorno pode ser feito por meio de transporte rodoviário.

Serviço

Datas

Outubro: 22, 28 e 29;

Novembro: 2, 3, 4, 5, 11, 12, 15, 18, 19, 25, 26;

Dezembro: 2, 3, 9, 10, 16 e 17.

Valores dos bilhetes

Publicidade

Acima de 6 anos: R$ 154

Valor do Transporte de Retorno Rodoviário: R$ 24

Mais informações: https://v1.tremdosvales.com.br/

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.