PUBLICIDADE

Boca de urna aponta vitória de Haddad em São Paulo

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O petista Fernando Haddad será o novo prefeito de São Paulo após o segundo turno da eleição municipal deste domingo, apontou pesquisa de boca de urna realizada pelo Ibope e divulgada após o término da votação na capital paulista. Segundo o levantamento, encomendado pela TV Globo, Haddad ficará com 57 por cento dos votos válidos, enquanto o tucano José Serra deverá ter 43 por cento dos votos. O Ibope ouviu 6 mil pessoas neste domingo. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais. A boca de urna do Ibope vai na mesma direção dos levantamentos divulgados pelo instituto e pelo Datafolha no sábado, que apontavam vitória do candidato do PT. No levantamento divulgado pelo Ibope na véspera da eleição, Haddad aparecia com 50 por cento das intenções de voto, contra 35 por cento do candidato do PSDB. Levando em consideração apenas os votos válidos, que excluem os brancos, nulos e os indecisos, o petista tinha 59 por cento, ante 41 por cento do tucano. Na pesquisa do Datafolha, Haddad tinha 48 por cento das intenções de voto e Serra 34 por cento da preferência do eleitorado. Pelos votos válidos, segundo o Datafolha, Haddad venceria com 58 por cento a 42 por cento. A vitória de Haddad na capital paulista é apontada como estratégica para o PT. Além de colocar o partido da presidente Dilma Rousseff no comando da maior cidade e do terceiro maior orçamento do país, a eleição de Haddad impõe uma derrota significativa ao PSDB, principal partido de oposição a Dilma, e a Serra, uma de suas figuras históricas. Pelo lado do PSDB, o partido verá cair nas mãos de seu maior rival o controle da capital do Estado que governa desde 1994. Se confirmada, a eleição de Haddad, que está em sua primeira disputa eleitoral, fortalece ainda mais a já dominante figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dentro do PT. Lula foi o principal fiador da candidatura de Haddad, seu ex-ministro da Educação, e articulou dentro do partido para que não houvesse concorrência a seu escolhido dentro da legenda. (Reportagem de Eduardo Simões)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.