PUBLICIDADE

Casos de dengue triplicam em todo o País

Cinco Estados já enfrentam epidemia e há previsão de que doença terá alcance maior do que no ano passado

Por Ligia Formenti e BRASÍLIA
Atualização:

O número de casos de dengue triplicou em 2013 em relação ao mesmo período do ano passado. Até o dia 16 de fevereiro foram confirmados 204.650 casos, contra 70.489 em 2012. A epidemia atinge cinco Estados: Acre, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás. "A luta está só começando", advertiu o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Isso porque o período de maior transmissão vai até maio. "Corremos o risco de enfrentar neste ano uma epidemia maior", afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Jarbas Barbosa. Mas ele diz achar difícil que os números sejam semelhantes aos de 2010, quando foram registrados quase 1 milhão de casos. O número de cidades com altos índices de criadouros do mosquito transmissor cresceu de forma significativa. O mais recente Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (Liraa) mostra que, em janeiro, 267 municípios apresentavam situação de risco para a dengue. No ano passado eram 146. O número de municípios em alerta subiu de 384 para 487. O conjunto de cidades analisadas também aumentou. Isso explicaria, em parte, o aumento de indicadores ruins. Mas, ao se analisar indicadores de cidades classificadas como em situação satisfatória, o fenômeno não se repete. Quase não há variação: neste ano, 238 foram assim consideradas. Em 2012, foram 235. Padilha afirmou ser preciso redobrar as ações de prevenção, sobretudo nos locais de maior risco e no Nordeste. O ministro atribui o crescimento de casos a vários fatores: aumento das chuvas em alguns locais, agravamento da seca em outros. Mas um dos principais fatores é o Den-4, um subtipo do vírus da dengue que, após mais de 25 anos, voltou a circular no País em 2010. "Ele não é mais perigoso. Mas, como o retorno é recente, parte significativa da população é suscetível a ele ", explicou Barbosa. Das amostras analisadas, 52,6% são deste sorotipo. No ano passado, o Den 4 também foi responsável pelo maior número de infecções: 59,3%. No fim de 2012, o ministro alertou para o risco da redução das ações de prevenção, por causa do período eleitoral e transição nas administrações. Ontem, no entanto, ele evitou atribuir o aumento de casos a um eventual abandono das medidas. Os casos da doença neste ano estão concentrados em oito Estados: MS, MG, GO, SP, RJ, PR, MT e ES respondem por 84,6% das notificações. A maior parte das cidades de risco está no Nordeste.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.