Empresa de ‘laranja’ que faz obra em Mossoró também atua na penitenciária de Brasília

Companhia tem contratos com o Executivo federal desde 2016, totalizando quase R$ 530 milhões; 2023 foi o ano em que a empresa mais fechou contratos com o governo

PUBLICIDADE

Foto do author André Shalders
Foto do author Vinícius Valfré
Foto do author Tácio Lorran
Por André Shalders , Vinícius Valfré e Tácio Lorran
Atualização:

BRASÍLIA - A empresa R7 Facilities, que está em nome de um “laranja” e presta serviços de manutenção no Presídio Federal de Mossoró (RN), também atua dentro da Penitenciária Federal de Brasília (DF). O contrato para oferta de mão de obra técnica e administrativa é um dos que foram obtidos pela companhia desde que ela passou para o nome de “testas de ferro”. A empresa viu seus contratos multiplicarem após a chegada dos laranjas.

Presídio de Brasília é um dos cinco do sistema federal Foto: Senappen

PUBLICIDADE

A R7 presta “serviços continuados de apoio técnico administrativo, mediante regime de contratação indireta” no presídio de Brasília, no valor total de R$ 1,97 milhão. O contrato foi assinado em março de 2023 por meio da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen) do ministério.

Como mostrou o Estadão, desde janeiro de 2021 a empresa com faturamento na casa dos R$ 195 milhões está em nome de laranjas. Primeiro, Wesley Camilo, um brigadista de hospital que vive na periferia de Brasília.

Desde fevereiro de 2023, Gildenilson Braz Torres consta no papel como único dono. Ele foi beneficiário do auxílio emergencial e em uma ação judicial foram encontrados R$ 532 nas contas dele. Coube a ele assinar o contrato com a penitenciária da capital federal.

O contrato com o presídio de Mossoró é de abril de 2022. Na época, Wesley Camilo aparecia na documentação oficial como dono. No último dia 14, dois detentos do Comando Vermelho fugiram da unidade prisional.

Há a suspeita de que uma obra teria facilitado a fuga dos criminosos – a primeira na história dos presídios de segurança máxima do País. A Polícia Federal investiga as possíveis causas.

O valor contratado pelo governo federal com a R7 Facilities mais que dobrou depois que a empresa foi vendida pelo dono original e fundador, o empresário Ricardo Caiafa. Antes da venda, foram 67 contratos com o Executivo federal, somando R$ 171,4 milhões. Depois que o CNPJ trocou de mãos, para Wesley e Gildenilson, foram firmados mais 47 contratos com o Executivo, no valor total de R$ 357 milhões.

Publicidade

A maior parte desse montante – R$ 305 milhões – foi contratada em 2023, já na gestão Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A empresa também informou ter contratos com a Câmara dos Deputados, com o Senado Federal, com órgãos do Judiciário e empresas estatais.

Além de Mossoró, a R7 Facilities, registrada em nome de um laranja, também atua no presídio federal de Brasília (foto) Foto: DIV

O primeiro contrato da empresa com o Executivo foi assinado em setembro de 2016, para a prestação de serviços à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). No entanto, Gildenilson Torres, dono da R7 no papel, parecia desconhecer essa informação.

“Meu filho, eu entrei na empresa no ano passado. Eu não sou laranja, entrei ano passado. A gente vem trabalhando essa empresa há alguns anos e agora que ela começou a entrar em processo de licitação”, disse Gildenilson, que é técnico em contabilidade.

Até o momento, os contratos já resultaram em pagamentos de R$ 372,8 milhões do Executivo para a empresa, segundo dados do Portal da Transparência.

Gildenilson Braz se tornou sócio administrador da R7 Facilities em fevereiro de 2023. Um mês depois, assinou contrato com a penitenciária de Brasília e, dois meses depois, firmou aditivo do contrato original para prestação de serviços na cadeia de Mossoró.

Funcionários da R7 caminham por um corredor do Senado Federal. A empresa fechou contratos com a Câmara e com órgãos da Justiça Foto: Coluna do Estadão

À parte dos contratos de prestação de serviços para as penitenciárias de Mossoró e Brasília, a R7 já fechou outros nove contratos com várias unidades do Ministério da Justiça. Desde a venda para Wesley, foram seis deles, que somam R$ 31,7 milhões.

O maior deles foi assinado em dezembro do ano passado, sob o número 29/2023: R$ 18,8 milhões para prestação de serviços à unidade do Arquivo Nacional no Rio de Janeiro, órgão ligado à estrutura do Ministério da Justiça.

Publicidade

Especialistas em segurança pública consultados pelo Estadão consideram grave o fato de dois presídios de segurança máxima manterem contratos com uma empresa sem saber quem é o verdadeiro dono. No total, o sistema federal tem cinco penitenciárias desse tipo (Brasília, Mossoró, Campo Grande, Porto Velho e Catanduvas, no Paraná).

Segundo advogados especialistas em licitações, a apresentação de informação falsa – como o ocultamento dos verdadeiros donos – pode tornar nulos os contratos da empresa. Além disso, os envolvidos podem ser acusados de falsidade ideológica, na esfera penal.

No caso de Mossoró, há a suspeita de que uma obra teria facilitado a fuga dos criminosos. Rogério da Silva Mendonça, conhecido como Tatu, e Deibson Cabral Nascimento, o Deisinho, ainda não foram encontrados. As buscas por eles se estendem por mais de uma semana.

R7 diz que alegação é “preconceito” e ministério pede apuração

Em nota, a empresa R7 Facilities alegou que é “imprudente” e “preconceituoso” se referir a Camilo e Gildenilson como laranjas. “O sr Wesley Camilo foi sócio da empresa R7 Facilities e o sr Gildenilson é o atual sócio, como pode ser verificado em documentos públicos junto à Junta Comercial do Distrito Federal”.

A empresa se recusou a comentar sobre a fuga dos dois presos ligados ao Comando Vermelho, não especificou como atua no Rio Grande do Norte e não informou se irá colaborar com as investigações.

Após a reportagem do Estadão revelar que a R7 está em nome de um laranja, o Ministério da Justiça afirmou que vai dar início a uma apuração detalhada sobre o tema. A pasta vai acionar “os órgãos competentes federais para que seja realizada rigorosa apuração referente à lisura da empresa citada”.

Ainda segundo o ministério, a R7 Facilities cumpriu todos os requisitos técnicos e apresentou as certidões necessárias, além de estar cumprindo todas as obrigações, no caso do contrato em Mossoró.

Publicidade

Ao Estadão, Gildenilson afirmou ter CEO, diretores e outros empreendimentos, mas que não podia dar informações sobre eles. Ele desligou o telefone logo após a reportagem insistir em mais detalhes.

“Cara, tipo assim, ‘tá’ rolando uns negócio aí do contrato que a gente tem terceirizado de Mossoró. É sobre isso? Tipo assim, tenho de conversar com meu advogado. Não posso falar nada sem conversar com ele. Qualquer coisinha, pego seu número e entro em contato”, afirmou.

Antes, desde janeiro de 2021, a companhia estava em nome de outro “testa de ferro”, o bombeiro civil Wesley Fernandes Camilo. Foi ele quem assinou o contrato, em 2022, com o antigo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), atual Senappen.

Hoje, Wesley Camilo trabalha como brigadista em um hospital particular de Brasília e afirmou ter renda mensal de R$ 4 mil. Mesmo assim, alegou estar satisfeito por ter repassado a empresa de balanço milionário da qual aparecia como único dono.

O bombeiro civil afirmou que comprou a empresa milionária sem desembolsar nada. Segundo ele, a firma foi repassada com créditos não recebidos e ele trabalharia para recuperá-los. O brigadista negou ter sido um laranja.

“Na realidade, irmão, eu comprei do Ricardo e passei para para o Gil. Mas isso aí, bicho, vai além de tudo isso. O meio é fogo, irmão. É só você pesquisar. Para ficar num meio sujo e perverso, melhor sair e passar para a mão dos caras”, disse Wesley, negando-se a detalhar a que se referia.

O fundador da empresa é Ricardo Caiafa, um empresário de Brasília. Ele afirmou que decidiu vender a companhia porque enfrentava dificuldades no mercado e decidiu sair do ramo. Foi procurado por um advogado que intermediou a negociação para Wesley Camilo.

Publicidade

Caiafa afirma não ter mais ligação com a R7. Diferentemente dos novos donos, ele mora em uma casa no Lago Sul, considerado o bairro com a maior renda per capita do País. A reportagem não encontrou indícios de que ele tenha vínculos com o grupo que controla a empresa atualmente.

Ao Estadão, o MJSP disse que a R7 Facilities “atendeu todos os requisitos técnicos para a assinatura do contrato para atuar na Penitenciária Federal de Brasília”, assim como aconteceu em Mossoró. “Os registros obtidos a partir da fiscalização do contrato apontam que o serviço prestado está sendo cumprindo de forma regular, obedecendo os parâmetros pré-estabelecidos legalmente”, disse a pasta.

O Ministério da Justiça disse ainda que não pode responder pela contratação da R7 Facilities em outras pastas. “Vale lembrar que cada ministério é responsável pelas contratações para a prestação de serviço em sua área, não podendo o Ministério da Justiça e Segurança Pública se manifestar em relação a contratos que não tenham sido assinados pela Pasta”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.