Foto do(a) blog

Baixe e ouça as principais notícias e análises

Podcast 'No Ritmo da Vida': #29 A Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

PUBLICIDADE

Por Laís Gottardo
Atualização:

Dulce Cardenuto, diretora superintendente da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - a maior do Brasil - tem a missão de coordenar um espaço que une voluntariado, conhecimento em Saúde e trabalho social para ao menos 2,5 milhões de pessoas por ano. Sobre o hospital mais antigo da cidade de São Paulo, ela conversa com Antônio Penteado Mendonça.

PUBLICIDADE

"Há 460 anos, pessoas passaram a doar seu trabalho ou seus bens para manterem a assistência à Saúde e o atendimento às pessoas mais necessitadas", conta Dulce, sobre os primórdios da Santa Casa. A executiva conhece o interior do hospital há ao menos uma década, tendo atuado em alguns postos na Irmandade. Seu conhecimento a permite afirmar que, não fossem as dívidas herdadas de muitos anos de subfinanciamento, as operações do Hospital Central e das outras unidades da Santa Casa em São Paulo seriam saudáveis.

"Hoje, temos mais de mil leitos de uso exclusivo do Sistema Único de Saúde", afirma a diretora, que completa que qualquer pessoa que chega ao Pronto-Socorro recebe atendimento. O cenário inclusivo traz consigo desafios como a taxa mensal de recém-nascidos deixados na maternidade para que o hospital se encarregue de encaminhá-los a um "futuro melhor".

Além da atenção em Saúde, a Santa Casa também oferece residência a estudantes das três principais faculdades de Medicina de São Paulo e a própria é, também, um centro de formação de médicos, com a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

 
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.