PUBLICIDADE

Estiagem atrapalhou aumento de área

Segundo agrônomo, quando choveu, já era tarde demais para os produtores comprarem insumos para plantar

Foto do author José Maria Tomazela
Por José Maria Tomazela
Atualização:

A aposta maior do pecuarista Cyro Maschetto, de Itararé, é na soja, que ocupa 70% da área cultivada. No restante da área plantou milho. Ele correu risco ao fazer parte do plantio desse cereal no fim de agosto, antes das chuvas, mas se deu bem. ''''Houve alguma perda, mas foi insignificante'''', diz o agricultor e pecuarista. Como será um dos primeiros a colher, espera conseguir o melhor preço. Baixa expansão O engenheiro agrônomo Vandir Daniel da Silva, da Casa da Agricultura de Itapeva, ligada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, acredita que, apesar dos bons preços, a área plantada com grãos na região não deve se expandir muito. É que a estiagem prolongada este ano atrapalhou a tomada de decisão dos produtores. ''''Quando choveu, já era tarde demais para correr atrás dos insumos'''', diz o engenheiro agrônomo. Mesmo assim, o risco de a cana ocupar as terras de cultivo da região já é menor. ''''Com os grãos em alta, alguns produtores que arrendaram terras para a cana agora estão arrependidos.'''' Crescimento No Estado de São Paulo, a área com soja deve crescer perto de 7% - o mesmo porcentual previsto para o milho. Em todo o Brasil, segundo a Conab, a soja deve ocupar 46,8 milhões de hectares, superior 1,2% à área anterior. A produção esperada é de 59,4 milhões de toneladas, ou 1,7% mais. A área do milho da safra verão deve subir de 9,5 milhões para 9,8 milhões de hectares e a produção deve crescer 2%, alcançando 37,3 milhões de toneladas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.