Ex-dirigente do Khmer Vermelho é detido no Camboja

Khieu Samphan foi levado de hospital para tribunal de genocídios da ONU.

PUBLICIDADE

Por BBC Brasil
1 min de leitura

A polícia do Camboja prendeu nesta segunda-feira Khieu Samphan, o ex-chefe de Estado do Khmer Vermelho, que agora vai ser julgado no tribunal de genocídios da ONU. O ex-líder, idoso, foi preso em um hospital da capital Phnom Penh, onde estava em tratamento desde a semana passada, depois de, aparentemente, ter sofrido um derrame. Samphan é o quinto entre os líderes mais importantes do Khmer Vermelho a ser preso para ser julgado no Tribunal Especial de Genocídios. Quase dois milhões de pessoas teriam sido mortas durante o governo do Khmer Vermelho no Camboja, entre 1975 e 1979. Segundo o correspondente da BBC em Phnom Penh, Guy De Launey, Khieu Samphan alega que nunca teve poder no governo do Khmer Vermelho. Um ex-confidente do líder Pol Pot, que morreu em 1998, Samphan também foi guerrilheiro. Mesmo tendo ocupado o cargo de presidente da então Kampuchea Democrática, como o Camboja era conhecido na época, Samphan se descreveu, no livro que ele escreveu, como um espectador - e que apenas percebeu os horrores impostos pelo Khmer Vermelho, quando já era tarde demais. Mas os juízes que estão investigando no país, para o tribunal da ONU, decidiram que existem provas suficientes para acusar Khieu Samphan, junto com outros líderes sobreviventes do Khmer Vermelho. Samphan fazia parte de um pequeno grupo de cambojanos que estudou em Paris na década de 50, do qual saíram os líderes do Khmer Vermelho. Ele se juntou à organização no final da década de 60 e também foi ministro da Defesa. A prisão de Samphan completa a série de detenções de suspeitos realizada pela corte especial iniciada em 2006. Um dos promotores, Robert Petit, afirmou que a detenção de Samphan serve como mensagem ao povo cambojano. "É muito satisfatório sermos capazes de falar ao povo cambojano 'estamos prosseguindo - isto é progresso. Temos algumas das pessoas certas sendo processadas'." "Isto dá muita satisfação e acho que reflete como as pessoas estão comprometidas", disse. O tribunal de genocídios informou que Samphan deve comparecer à Justiça nesta segunda-feira para ser informado das acusações contra ele. Khieu Samphan já escolheu seu advogado de defesa: o advogado francês Jacques Verges, o chamado "advogado do diabo", famoso por defender o nazista Klaus Barbie e o terrorista Carlos, o Chacal. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.